Pular para o conteúdo principal

Quando viveremos de fato a Páscoa que almejamos?





Irmãos e Irmãs,
Nosso país precisa ser explicado até para nós brasileiros. Qualquer observador atento fica extremamente confuso com a forma como funcionam os mecanismos de nossa sociedade. Olhamos ao nosso redor e as cenas causam-nos ainda mais estupefação.
O nosso cotidiano se transforma a cada dia numa rotina de violência institucional. Há uma percepção de que a banalização da violência anestesia nossos sentimentos e ficamos com aquela sensação de que o melhor a fazer é “abstrair e fingir demência” .
A rotina de chacinas, mortes e tiroteios nas grandes capitais e nas favelas e periferias apontam para uma situação que pode se tornar incontrolável. A maneira como a justiça age seletivamente com algumas pessoas, enquanto condena outras sob condições intoleráveis envergonha qualquer um que tenha um senso de segurança jurídica.
A articulação de forças políticas violentas cada vez mais ativas denunciam o profundo estado de polarização política que ameaçam inclusive o desfecho das eleições gerais este ano. O debate tem dado lugar a discursos de ódio. Estas forças políticas e econômicas com o apoio da mídia torna ainda mais sombria a realidade de nosso país.
Diante disso cabe a pergunta: como viver a Páscoa neste tão desafiador contexto? Nos sentimos como os discípulos a caminho de Emaús. Precisamos retomar os fundamentos da nossa fé. Somente ela pode  alimentar a chama da nossa confiança no Deus da Vida.
Muitas vezes sucumbimos à realidade e fica difícil enxergar o milagre que se coloca diante de nós e que nossos olhos teimam em não ver. Maria Madalena reagiu assim no primeiro momento, pois não conseguiu enxergar Jesus diante de si até que ele mesmo a chama pelo nome. Nesse contexto ela o reconhece pela voz, qual ovelha reconhece a voz do seu pastor. E ai o milagre acontece.
Peçamos a Deus que nos ensine a enxergar os sinais de vida mesmo em meio a tantas manifestações de morte. Quando nós mesmos estivermos abertos a ouvir a Sua voz (à maneira de Maria) e confiarmos que o poder da cruz não é maior que o poder daquele que a assumiu por amor aí sim, enxergaremos que tudo se faz novo. Nossa sociedade só deixará de perpetrar a desigualdade, a injustiça e a violência quando a luz invadir suas estruturas e dissipar a noite escura que a domina.
Cristo triunfou sobre a sepultura, conquistou a morte e derrotou o inferno. Este é o poder da ressurreição. Esse poder é o que pode transformar de verdade esta velha ordem e colocar em nosso peito um novo coração, uma nova vida e uma nova esperança.
Abençoada Páscoa!
++Francisco de Assis da Silva
Primaz do Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…