Pular para o conteúdo principal

Lembo, Limbo e Elites brancas

Quem leu a entrevista do governador Cláudio Lembo à Folha e teve o cuidado de perceber o texto oculto do seu desabafo, vai chegar à conclusão de que ele é o retrato de um homem amargurado pela solidão do poder, experimentando um limbo ao qual poucos sobrevivem. Aliás, ele afirma isso categoricamente em uma curta resposta, mas a espalha sutilmente pelo resto da conversa.
Alçado ao governo do estado por conta da candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência, Lembo teve o presente de grego que ninguém deseja. Literalmente foi investido da função de almoxarifar o estado até que o novo governador receba de suas mãos a chefia do Palácio dos Bandeirantes. E nesta função, foi abandonado por seus aliados, inclusive os de seu próprio partido. Estão de olho sim em outro Palácio e com outras prioridades.
O desabafo do governador traz consigo talvez uma das frases que mais vão incomodar seus aliados durante a campanha eleitoral. A de que a elite branca é a grande responsável pelo que anda acontecendo no País. Se ouvíssemos essa frase da boca de um militante do PSTU, ou do PSOL ou de outras agremiações mais à esquerda, talvez ela não tivesse o efeito que teve. Mas dita por um representante de um partido reconhecidamente identificado com as elites, ela assume outra conotação: a de que Cláudio Lembo chegou ao limite da compreensão da fenomenologia social brasileira.
É verdade sim que a elite branca do Brasil tem inteira responsabilidade pela configuração do conflito social que hoje vemos. No país da Daslu, de Caras, dos domingos televisivos que bestializam a inteligência de nossa gente, é difícil não se aceitar que a miséria e a exploração não tenham responsáveis, como se fora construida unicamente por uma seleção natural.
A crítica do governador foi ácida e emotiva. E verdadeira porque quando nos encontramos em situações limites, o inconsciente aflora com toda força, sem rodeios e sem censura. A solidão do poder mostra o quanto ele é ilusório e insuficiente para acalmar a consciência.
Agora seus aliados vão querer silenciá-lo, cercá-lo de mimos para evitar que ele estrague a cena. Em uma abordagem simbólica da fala do governador, percebemos que ele agiu como a bruxa do mito de Parsifal: expôs sem nenhuma máscara a verdade que é escondida pelas conveniências.
Com certeza ele vai ser cobrado por esse "ato falho". Sofrerá o "limbo" no qual seus aliados vão colocá-lo, torcendo para que o calendário corra o mais rápido possível. O problema é se o calendário correndo rápido vai dar para se alcançar o que desejam. As dondocas e os bebedores de conhaque Henessy é que precisam experimentar um limbo ético que os acordem de vez, porque o pesadelo apenas começou. Nada contra a boa bebida e boa comida, mas seria melhor que viessem acompanhados de um senso de solidariedade com os excluidos desse Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…