Eleições 2006: Crônica anunciada

Chegamos a junho. Isso significa que estamos a exatos três meses da eleição presidencial.
O quadro que tracei desde o início do ano parece alterado até para mais com relação ao que é probabilisticamente esperado. Isso significa que se nenhum fato fora de controle acontecer, o Presidente será reeleito com relativa facilidade. Até com a possibilidade de ganhar no primeiro turno.
Além das estratégias adotadas desde o inicio do ano, conforme demonstrei em artigos anteriores, surgiram novos fatos que corroboram a reeleição e o mais forte deles é a incapacidade de a oposição construir uma agenda política consensual e programática.
As divergências de egos nos arraiais tucanos e peemedebistas por si só ajudam o Presidente a continuar navegando em céu de brigadeiro.
As CPIs, convertidas em palanque perderam a credibilidade que poderiam ter tido se adotassem realmente uma metodologia mais investigativa dos fatos, do que uma vitrine de ávidos por mídia. Some-se a isso o golpe moral do Congresso, com seus sanguessugas e mensaleiros.
A economia dá sinais de recuperação e o manejo de política salarial do Governo tem sido eficaz. Mesmo a crise com a Bolívia, administrada com cautela não causou estragos à pessoa de Lula.
Resta agora ver como se dará a campanha na midia. E é ai que o Presidente tem seu maior desafio. Não o de imagem, pois é hábil no manejo dela. Mas o de Programa de Governo. Não há dúvidas de que ninguém se elege dizendo apenas que vai continuar o que vem fazendo. Ou, dizendo que o que vem fazendo não tem reparos a serem feitos. O eleitorado espera mais e com certeza não vai aceitar ser subestimado na sua inteligência. Se a oposição não decola por ausência de Programa, o eleitor não será flexível se Lula não apresentar qualquer diferencial.
Resta ver o que vai acontecer. Talvez a grande surpresa desa eleição seja o crescimento da candidata do PSOL. Mas nada que venha a causar estragos para uma reeleição que parece irreversivel.

Comentários

Caro Xico, gostei da análise. Lamentavelmente, estamos naquela de "ruim com Lula, pior sem ele"...
Um abraço
Caetano, ost
Hermann Gustavo disse…
Boa análise, Rev.
E concordo com o Luiz... na falta de outro vai esse mesmo.
Um abraço.
Hermann
Anônimo disse…
Olá Xico,

Gostei de sua análise. Porém temos que analisar mais as propostas e conteúdos programáticos dos partidos.
Como você já apontou, isto não está sendo feito.
Que tal artigos analisando as propostas lado a lado?

Abraços,

Edmilson Torres

Postagens mais visitadas deste blog

Visita do Papa ao CMI: gesto de comunhão e cumplicidade para testemunhar unidade

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia