Pular para o conteúdo principal

Cadê a Sociedade Civil?

Após o terror do fim de semana, o que estamos assitindo agora é uma corrida atabalhoada da classe política para discutir medidas mais rigorosas para evitar que os bandos do crime organizado ajam com a liberdade que tem agido.
Por seu lado, os governos ficam a discutir quem tem mais poder de controle sobre a segurança pública. Razões de ordem federativa são apontadas para justificar "orgulhos" políticos feridos, em pleno jogo de cena eleitoral.
Ontem à noite o governador de São Paulo declarou abertamente que os atentados e rebeliões tinham acabado, e que tudo tinha saido muito bem, conforme o que fora planejado. Desconheceu completamente o fato de que mais de 80 vidas foram perdidas, entre policiais, criminosos e civis.Para isso teve apenas uma insensivel definição: fatalidade!
É dificil enfrentar essa situação sem nos conscientizarmos de que há um aboluto descaso com a sociedade civil.
Pelo preceito constitucional, a Segurança Pública é dever do Estado e direito e responsabilidade da sociedade. Nenhum desses pilares está sendo levado a sério por determinados agentes públicos, especialmente a classe política brasileira, oportunista e retardada em iniciativas eficazes para a superação de graves problemas públicos.
Somente agora se sabe que tramitavam no Congresso nacional mais de 30 propostas de lei referentes a segurança pública. Algumas delas ziguezagueando há anos pelos gabinetes e salas de comissões. Na verdade, essa pressa toda não deve iludir a opinião pública brasileira.
É preciso dar voz à própria sociedade organizada. As instâncias de definição política no campo de segurança estão sempre nas mãos de representantes dos poderes executivo e judiciário. Seja no Conselho nacional de Segurança Pública, seja nos Conselhos Estaduais.A única representação da sociedade civil é a OAB, com a ressalva de que tem assento no conselho nacional. Isso é muito pouco para se chegar à uma compreensão do que é uma adequada política pública de Segurança.
Ela envolve questões que não são somente de polícia. Envolve também questões de política, de infraestrutura, de inteligência e de serviços públicos.Sem a presença da sociedade organizada, qualquer medida corre o risco de ser simplesmente paliativa e de conteúdo meramente repressor.

Comentários

Josi Saldanha disse…
Oi Xico! Muito show teu espaço! Adorei mesmo, principalmente essa primeira matéria. Parabéns pelo trabalho e beijão!

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…