Pular para o conteúdo principal

Juventude merece respeito! Chega de criminalização

Vivemos tempos obscuros. Há uma tônica quase medieval em nosso país, onde a única verdade que vale para quem tem o poder nas mãos é o seu projeto de poder . São tempos de discurso único, dos donos da Casa Grande.

A maneira como a mídia nojenta do Brasil, propriedade de um punhado de plutocratas que cabem num fusca, tem se comportado de forma cínica. A cobertura das ocupações das Escolas contra a reforma educacional e a PEC 241 merece a qualificação de palhaça. Primeiro porque buscam ignorar ao máximo este movimento. Segundo porque buscam descaracterizá-lo vinculando os estudantes ao PT (aliás, uma fixação freudiana que merece uma profunda análise científica) e, terceiro, criminaliza-o com uso inapropriado, ilegal e bruto como se lidassem com criminosos.

O problema é que os criminosos não estão dentro das Escolas, nem das Faculdades e Institutos Federais. Eles estão nas instancias de poder e são eles que tem o insano controle da polícia. Ameaças, prisões arbitrárias, violação de direitos tem sido o prato cheio de quem  quer virar definitivamente uma página ainda em construção da democracia brasileira.

A foto de jovens e adolescentes algemados ganhou as páginas da mídia internacional. Esta é a fotografia que retrata o Brasil de agora. Um tempo excessão, de abuso descarado do poder. E, não me venham dizer que isto é discurso de petista, pois não sou filiado a nenhum partido político. A única filiação que tenho é a de ser membro de um movimento chamado de Movimento de Jesus. Este é um movimento que se preocupa com coisas como justiça, verdade e dignidade humana, além, é claro de acreditar num mundo melhor para todas as pessoas.

Virou moda acusar aqueles que ainda não sacrificaram suas consciências no altar do Deus Capital de petistas, de inimigos e de não estarem vivendo a fé cristã. Os críticos preferem simplificar  a adjetivação porque isso mostra que não precisam pensar muito, porque tem medo de suas próprias consciências.

Defendo o movimento da Juventude brasileira que deseja um país melhor, uma educação de qualidade e um direito irrestrito de construir um Brasil onde privilégios da Casa Grande não se aprofundem. Onde os ricos não ganhem mais à custas de senhora e senhores aposentados, dos trabalhadores, dos que mendigam nas filas dos hospitais. 

Portanto, meu apoio, meu estimulo aos jovens de boa vontade, daqueles que estão vivendo uma Ditadura civil plutocrática. Lutem, ocupem, protestem porque vocês precisam ser respeitados. Vocês não são criminosos, nem vilões. Vocês são cidadãos e merecem respeito. Vocês me representam, assim como todas as pessoas que desejam uma sociedade melhor e um futuro melhor. Que a foto do Brasil não seja a de vocês algemados, mas livres para pensar, construir e fazer a Senzala deste país celebrar uma autêntica liberdade!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…