Pular para o conteúdo principal

A interrogação venceu!

As eleições municipais em seu primeiro turno foram concluídas. A euforia da grande mídia está estampada porque a boca de urna sucessivamente articulada e programada com a ajuda da PF e da Justiça, causou um tsunami no Partido que ela mais detesta. O PT perdeu cerca de dois terços de suas prefeituras em todo o país.

Mas há um dado que a mídia não considera relevante, embora não deva escapar a uma análise mais profunda. A soma de votos nulos e brancos, bem como a abstenção alcançaram índices muito elevados em comparação com pleitos anteriores.

Senão vejamos. Em São Paulo, o candidato eleito teve menos votos do que o número de abstenções, de votos em branco e nulos. Se não deslegitima o resultado, pelo menos o compromete. No Rio de Janeiro, embora o resultado final só aconteça no segundo turno, o candidato Crivela teve menos votos que a soma dos nulos, brancos e abstenções. Em Belo Horizonte, o candidato João Leite e seu concorrente para o segundo turno  tiveram juntos menos votos que as abstenções, votos brancos e nulos.

Esta constatação fere inapelavelmente a saúde da democracia brasileira. Praticamente dobrou - comparando-se pleitos anteriores - o número de eleitores que optaram por não votar ou se eximir claramente sua preferência política.

O que isto representa? Certamente um desencanto com o modelo político brasileiro e um desinteresse em fortalecer um processo de participação efetiva na escolha de gestores públicos. Isto é muito preocupante porque leva à omissão de importante parte da sociedade em usar o único poder de decisão que possui para mudar os destinos de sua cidade, de seu estado e do seu País.

Mas quem é responsável por isso? Há um conjunto de fatores e entre eles enumero um que para mim está muito claro. A grande mídia desempenhou um papel fundamental nisso. Desde 2005, portanto há onze anos atrás, ela elegeu como seus alvos os políticos da esquerda brasileira apontando suas câmeras e seu trabalho investigativo para os escândalos que, apesar de envolver pessoas de todas as orientações políticas, foi sempre conduzida por um anti-petismo odioso. Com a ajuda de um Judiciário extremamente partidarizado, garantiu o espetáculo de cada dia que ocupava seus tele-jornais e as principais manchetes de jornais e revistas. A fixação anti-petista seguiu seu rumo com o apoio irrestrito das elites.

O discurso contra a corrupção (dos outros) conquistou uma classe média realmente mediana em termos de compreensão do que é realmente um processo político. Foi capaz, inclusive, de manipular um aparente movimento de massa para impressionar o cidadão comum. Conheço pessoas próximas a mim que caíram nesta armadilha!

Este clima anti-petista e contra qualquer coisa que soasse de esquerda contaminou o eleitorado médio brasileiro. A espetaculosidade do golpe aprofundou ainda mais o desgosto do eleitor que não tem militância partidária especifica. Ficou para muitos a sensação de que a mídia não estava tão imparcial ao omitir de seu foco outros tantos políticos de orientação conservadora que estão envolvidos na lama da corrupção e nas pautas conservadoras que desejam somente governar com um discurso amanteigado e reduzir, na verdade, os avanços que o País alcançou nos últimos anos.

Este grupo decidiu não votar, votar em branco ou simplesmente anular seu voto. Trata-se de um eleitorado vivendo a descrença com o voto ou a revolta com a rotina política. Isso é preocupante porque dá lugar à uma perigosa omissão que é terreno fértil para germinar uma cultura fascista. Aliás, uma cultura que é muito desejada pelas elites para manter inalterada a dominação econômica e política de um povo.

Vivemos assim mais um episódio de despolitização da sociedade brasileira. Os eleitos ganharam as eleições - isto é fato - para não parecer que estou apenas decepcionado com a derrota da esquerda no Brasil. Mas a derrota não é somente da esquerda. É uma derrota da sociedade brasileira.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…