Pular para o conteúdo principal

Pra que pressa? Cante com as estrelas, se puder!

Nestes tempos natalinos é possível observar-se uma característica muito comum nas pessoas: a pressa. Pressa para que o ano termine logo. Pressa para cumprir os compromissos sociais. Pressa para chegar antes de outras pessoas aos artigos que serão os presentes de Natal para a família e os amigos. Pressa pra chegar logo ao destino das férias. Enfim, parece que o relógio das pessoas aumenta a velocidade fazendo-as escravas de um ritmo que consome as energias emocionais e se tornam fonte de desconfortável stress.

Enquanto isso, no ventre de uma Maria, cresce um menino que chegará a um mundo tenso de correria também por causa de um tal de censo que o Imperador determinou a todos os seus súditos (tanto os de boa  quanto os de má vontade). Também ai temos a pressa do sistema, querendo saber quantos são os contribuintes para engordar o caixa do Império e alimentar o poder e o controle sobre as pessoas.

José e Maria foram apanhados por este turbilhão. Tiveram que sair praticamente de uma banda para a outra do país. Sofreram as consequências de uma migração forçada. O furdunço era tão grande que nem lugar para se hospedar tiveram. Essa é  a saga do Império: desenraíza as pessoas, tornam-nas migrantes em seu próprio ser.

Mas ali estava o Menino que devia nascer exatamente para contradizer toda essa lógica maluca de um sistema que trata as pessoas como engrenagem. O sistema foi tão nefasto que nem um lugar mais digno para o bebê nascer proporcionou.

Estavam ali Maria, José, o Menino e os animais. Tendo o céu por teto. Isso me lembra e muito os tetos de tantos sem-teto que temos hoje me nosso país. Só que o Império não recebeu a Glória! A Glória foi destinada aquele menino e à sua abençoada família. Não foi para Cezar que os céus cantaram. Não foi para Cezar que os pastores destinaram o cântico de alegria. Ali, longe do burburinho, houve paz e quietude. Enquanto os agentes do Estado se debruçavam ávidos sobre números em suas tabuletas, os bilhões de corpos celestes cantaram que finalmente a nova criação chegou.

Minha intenção nesta reflexão é perguntar sobre a qualidade de que Natal que a gente precisa viver. Certamente não é o cenário das lojas apinhadas de gente se batendo. Nem o das pessoas estressadas correndo atrás do tempo para saciar o deus mercado. Eu preferiria que pudéssemos viver o Natal da comunhão com Deus de verdade. O Natal da comunhão com a Natureza e com um Menino que sorri livremente, sem amarras, irresponsável até diante de um sistema que já queria contá-lo em suas estatísticas!

Naqueles tempos, longe da Jerusalém cheia de luzes e de palácios iluminados, uma família recebia a vênia de toda a Criação. Num lugar onde as luzes celestes podiam ser vistas sem serem ofuscadas pelas luzes da cidade. Onde uma criança anarquicamente ria daqueles que se achavam os donos do mundo.

Que tal vivermos um Natal de mergulho nesta liberdade que Deus nos dá através de Jesus menino? E, se porventura, o stress te dominar nestes dias, pare, sacuda a cabeça e diga a si mesmo: ei! para que tanta correria se posso aproveitar melhor a festa de forma e me sentir mais gente, com mais fé e louvando o Deus Emanuel! Se junte às estrelas e cante de alegria ao Deus amoroso que tanto nos quer bem!

+Francisco, Santa Maria

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…