Pular para o conteúdo principal

Ano Novo: troque seu espelho por uma janela!


Neste recesso de fim de ano, aproveitei para realmente descansar. Estava precisando de verdade desconectar um pouco e refletir. Longe do escritório e usufruindo de momentos de relax com a família. Fazendo coisas triviais, dormindo bem e esquecendo um pouco os papéis institucionais. Ficando um pouco "sumido" das redes sociais e evitando os emails que evocam compromissos, tensões, entre outras demandas.
Percebi que neste curto espaço de tempo necessito fazer uma reviravolta na minha cosmovisão. E chego à conclusão de que se podemos realmente virar o ano com um compromisso de vida renovado, preciso trocar meu espelho por uma janela. Explico: o espelho sempre nos revela a nós mesmos, nosso rosto, nossa aparência e nossos estresses. Há pessoas que estão escravizadas pelo espelho. Umas porque precisam se enxergar a si mesmos e se admirarem à exaustão. Numa sociedade onde a estética é sempre uma regra áurea para o que se quer entender por satisfação, o espelho se torna um parceiro da angústia ou do prazer narcísico. Angústia para o que se sentem inferiorizados e prazer para os que estão dominados por suas próprias máscaras. 
As janelas nos projetam para fora, para o mundo e para a vida. Quando se olha através das janelas a gente ver um mundo numa dinâmica que nos absorve e que nos convida a interagir com ele. A gente se "esquece" da gente. A gente se torna um ser seduzido pela interação com este mundo para além da gente mesmo, e com o qual sentimos o desejo de interagir. Se o que vemos nos agrada, sentimo-nos agradecidos a Deus. Se o que vemos nos desagrada, pulsa em nós o desejo de transformar as coisas e tocarmos a realidade com nossas mãos. 
Em outras palavras, o espelho estreita e as janelas ampliam. Pergunto a você meu irmão e minha irmã: em 2013 terás a coragem de olhar através das janelas? Ou continuarás preso pela lógica dos espelhos? 
Que 2013, para além das palavras de ordem estereotipadas que costumamos ouvir das pessoas (tipo: que o mundo tenha mais paz, mais amor, mais isso ou aquilo) represente uma oportunidade de ampliarmos a nossa "enxergância" (neologismo de um querido colega reverendo). 
O mundo não terá paz, nem amor, nem nada de novo além daquilo que já tem se as pessoas continuarem a ter apenas o espelho como referencial. O mundo poderá, sim, se aperfeiçoar, se as pessoas saírem de frente de seus espelhos e se voltarem para as janelas! Elas nos projetam sim para fora e para a ação! 
Um Feliz 2013 a todos os meus amigos e amigas. Aos colegas bispos, ao clero e ao povo da DSO aos quais agradeço o carinho e a paciência para com este pastor, ao povo e clero de nossa IEAB e a todas as pessoas com as quais eu tenho uma relação de amizade, carinho e partilha de vida. Estando estas pessoas longe ou perto,  não importa, o mais importante é que se tornem pessoas capazes de trocar espelhos por janelas! 
Um agradecimento especial a Talita, companheira de todas as horas! Que ela e eu possamos sempre continuar olhando através das janelas.

+Francisco

Comentários

Querido bispo Francisco! Foi uma das melhores reflexões que já li! Vou procurar trocar meus espelhos e em seus lugares colocarei janelas! Deus abençoe sua vida, família e ministério! abraço
Lilian Lira disse…
Querido Dom Rev. Xico!



Sempre Rev, porque foi como aprendi carinhosamente a lhe chamar ao longo da minha presença na IEAB, desde a minha juventude, quando tive o privilégio de lhe ter como pastor.



Com gratidão pela mensagem escrita e compartilhada, e, sobretudo, pela mensagem desafiadora que ela apresenta, retribuo os votos registrando que ao lê-la me lembrei de algo que tem orientado a minha prática diacônica no mundo: "o mundo é a minha paróquia". Felizmente li essa assertiva de Wesley há muito tempo e mesmo que nem sempre eu a cite ou a releia, ela parece estar tatuada em meu coração, de modo que a partir mesmo da Igreja, com suas belezas e feiúras, mas sobretudo por suas feiúras, vi-me voltada a olhar especialmente para a janela e enxergar possibilidades e alternativas de serviço que contribuem para a construção do Reino de Deus.



A minha singela militância política no movimento negro junto ao Centro Ecumênico de Cultura Negra (CECUNE) e junto à Federação das Mulheres Gaúchas (FMG), somente são possíveis porque antes mesmo acolhi o chamado à militância política da fé cristã, que me impele a viver a minha cidadania cristã de maneira engajada para a transformação das injustiças desse mundo, especialmente as injustiças impostas às mulheres.



Com carinho e desejo de que 2013 seja um ano de bênçãos e que sejamos nós bênçãos para as pessoas com quem convivermos, deixo cheiros natalinos, com esperança de que o convite à humanidade, a partir do Deus-criança que se fez uma pessoa como qualquer uma de nós, para nos ensinar a sermos mais gente, seja renovadamente acolhido por cada uma e cada um de nós diaramente!



FELIZ 2013!



Cheiros,



Lilian
eunice Chaves Bezerra Müller disse…
Bispo Francisco, sempre que não vou ao Templo, sou interpelada com a pergunta: Por onde tens andado?!
Sou uma pessoa pouco culta, para dirigir-me ao sr, porém acredito que se eu ficar entre 4 paredes, somente, não estou sendo uma verdadeira cristã. Eu preciso ir ao encontro do meu irmão. Preciso fazer alguma coisa pelo meu irmão. Pouco tenho para levar ao meu próximo mas tenho amigos que podem ajudar e são a estes amigos que encaminho meu irmão. Explico: Não tenho tempo para desperdiçar olhando-me no "espelho" eu preciso da "janela" que me leva a ver meu irmão. No Templo busco, o que posso buscar em qualquer lugar por onde ando (o que meu Deus me ensina e quer de mim). Muitas vezes sou mal interpretada; penso, procuro no fundo do meu coração o que Deus quer que eu diga! Então, as pessoas que me interpretaram mal vem pedir desculpas, muitas vezes, o que não aceito. A ninguém perdoo. Só quem pode perdoar é Deus! Eu também erro, portanto como vou me atrever a deixar quem me ofendeu, por ter entendido mal minha intenção, pedir-me perdão. Simplesmente peço que, no caso da má interpretação, não me peçam perdão. Ajudem-me a sempre poder agir como cristã, orando por mim que sou imperfeita. Porém, às vezes, faço coisas que são bem interpretadas e as pessoas vem agradecer-me o que também não aceito. Peço que orem por mim, para que o Senhor me use, me faça forte para seguir o que acho ser a minha missão. Gostei muito do que o sr escreveu. Não sou ninguém para dizer isto mas estou sendo sincera. Prefiro a janela ou mais, a porta, pois por ela saio para interagir com meu irmão.
"Paz e Bem"
Eunice Chaves Bezerra Müller
Jaime So Ueu disse…
Gostei. De fato nossa geração Ou está no espelho, ou está no monitor trocando futilidades. No espelho encherga a si mesmo e no monitor se concentra em coisas distantes, as quais nada pode contribuir. De fato, olhar pela janela é uma boa pratica, pois veremos o nosso entorno, espaço que podemos interagir e modificar. Pela Janela, por exemplo, podemos ver os traficantes de drogas que destroem nossa juventude, os motoristas que usam carros como motos, enfim pela janela podemos ver oque realmente necessitamos ver. Conhecer oque se passa é meio caminho para a ação.

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…