Pular para o conteúdo principal

Senador Demóstenes: capturado pela própria sombra!

Se Carl Jung fosse vivo, certamente estaria se deleitando com mais uma evidência de seus estudos psicanalíticos. Explico: suas formulações sobre luz e sombra na construção das personalidades demonstram como certas pessoas que não experimentam um adequado processo de auto-consciência podem ser destruidas pela sua própria sombra. O senador Demóstenes Torres é um desses personagens que sucumbiu à sua própria sombra. Considerado um dos mais vibrantes oradores contra a corrupção no Senado, catando agulhas no palheiro - em defesa da moralidade pública - e criminalizando movimentos sociais, Demóstenes alçou o posto de representante máximo da direita moralista (aqui distinguo moralista de moral) sempre sob flashes da mídia para aqual exibia sempre um rosto incompassivo e incorruptível. Coitado do senador. A sombra se revoltou contra ele e resolveu destruí-lo: foi pego com a mão na botija, comprometido com um conhecido meliante do mundo do jogo, da violência e da corrupção. Voltando a Jung, eu diria que a sombra de Demóstenes cansou de ouvir ele destruí-la verbalmente e racionalmente. Embora parte dele - e todos nós, lembrem-se, temos nossas sombras - ele nunca dialogou com ela. Quando a sombra é rejeitada sem nenhum processo de diálogo ou mesmo aceitação dela como limite de nossa própria personalidade, ela costuma agir e destruir seus senhores. Isso tem acontecido ao longo da história com personalidades - geralmente públicas - que assumem uma máscara (no sentido psicanalítico do termo) associada somente ao bem ou à uma rígida moralidade. Grandes nomes da Religião, da Política, das Finanças, entre outros famosos e famosas, tem sido traídos quando menos esperam pelas próprias sombras que tanto rejeitam no nível da racionalidade discursiva. Moralistas costumam sofrer mais fortemente a destruição de seus perfis públicos por parte de suas sombras revoltadas pela não aceitação delas em sua psiquê. O senador agora deve estar experimentando vergonha e isso vai lhe custar a saúde emocional - embora ainda continue resistindo bravamente a admitir que o seu segredo foi revelado. Não poderá mais elevar a sua voz como fazia antigamente. Foi traído por sua própria sombra que cansou de não ser reconhecida. Fica a lição para as pessoas que constróem suas imagens (artística, política, religiosa, etc) em cima de discursos que eu chamaria de totalitários: irreprováveis, ilibados, perfeitos, moralistas,... A empafia discursiva que rejeita a convivência entre luz e sombra dentro de nossa psiquê pode nos levar a tombos vergonhosos. Fica a lição senador Demóstenes. Uma pausa para a sua própria reflexão!

Comentários

Anônimo disse…
A CORRUPÇÃO É UMA PRÁTICA QUE VEM DESDE OS TEMPOS DO BRASIL COLÔNIA,BRASIL IMPÉRIO, ... PARECE QUE É UM COSTUME QUE NUNCA SERÁ EXTERMINADO, POIS A CADA CORRUPTO DESMASCARADO, OUTROS TANTOS ESTÃO AÍ ÀS ESCONDIDAS SURRUPIANDO NOSSO PAÍS E NÓS COMO SOCIEDADE, A PARTE MAIS FRACA... ARCAMOS COM AS CONSEQUÊNCIAS.
Osvaldo Cunha disse…
Com Jung também se pode interconectar a má consciência em Niesztche e/ou a consciência em má-fé sartreana. Isto é, aquela que experienciando o real sem sizo colide com o simbólico latente mal resolvido.

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …