Pular para o conteúdo principal

Entre a Falácia e a Eficácia

Esta semana temos assitido ao que eu chamo de um conflito discursivo falacioso. Os contendores são o governo brasileiro e a FIFA. O motivo da contenda é a Copa de 2014 que cada vez mais vai ocupando o espaço e a agenda do país. E podem estar certos que esta agenda vai ocupar mais e mais a agenda do Brasil, inclusive com o risco de que outras agendas sejam relegadas a um plano inferior. É muito importante ressaltar que adoro futebol e que Copa do Mundo sempre mereceu a minha atenção. Afinal como Botafoguense e Colorado, visto as camisas e torço como um torcedor qualquer! No entanto, a despeito dessa paixão pelo esporte mais popular do Brasil, distinguo alhos e bugalhos. A Copa do Mundo é um evento público, que envolve bilhões e bilhões de reais e mexe com o DNA da política. O que realmente mobiliza esse confronto discursivo? De um lado um Secretário Geral da FIFA, uma pessoa pouco educada e com um sentimento dominado por visões colonialistas, achando que pode dizer e acontecer com o governo de um país que, se ele não sabe, é soberano e precisa ser respeitado. Até aí, ponto para o governo. No entanto, por outro lado, temos o governo que não consegue coadunar um consenso entre os políticos para votar a Lei Geral da Copa e implementar com eficácia o cronograma de obras de infraestrutura e os palcos do espetáculo maior da terra. A fala do ministro dos Esportes pode ser entendida em parte por um conflito entre egos incontroláveis, tipo bateu levou. Mas por outro lado mascara com um certo ar de nacionalismo a incompetência que o Brasil vem revelando no cumprimento de um cronograma de leis e obras que o próprio governo se comprometeu. Ninguém nega que tudo isso envolve interesses econômicos por parte de empreiteiras, grupos ligados ao setor hoteleiro, clubes de futebol e os próprios políticos. Cada um puxando pra si a brasa pra sua sardinha, afinal é um evnto impar e todo mundo quer tirar a sua lasquinha. Quando isso começou - os preparativos após o anúncio do Brasil como país sede - cheguei a escrever que seria de fundamental importancia se criar um Comitê Gestor da Copa com ampla participação da sociedade. Isso não aconteceu e ai se tem hoje um conflito surdo entre Governo e Sociedade Civil que, infelizmente não aparece na grande mídia. Os movimentos grevistas nos canteiros de obras, as manifestações de populações que moram nas áreas onde haverão remoção de favelas, a falta de uma política de realocamento dessas populações, e outros sérios problemas que a imprensa internacional, inclusive, está apontando ( recente artigo do NY Times fala sobre isso). Dessa forma, vejo esse conflito discursivo como um confronto entre falácias e eficácias. A falácia é um argumento vazio de conteúdo porque mascara a verdade. O Brasil precisa dar ao mundo um claro e evidente sinal de sua competência. O mundo inteiro estará olhando para nós e a Copa será uma verdadeira sala de visitas para turistas e torcedores do mundo inteiro. Precisamos ser mais eficientes. Quanto mais atraso de cronograma, mais dispêndio de recursos. E é bom lembrar que parte desses recursos tem origem pública. Está na hora de se abrir o olho para o que está acontecendo de fato. Ou seja, não devemos abrir tanto os ouvidos para conflitos de falácias, mas abrir os olhos para a dinheirama que está se gastando sem a eficiência que se precisa ter. Porque quanto mais se gastar, menos sobrará recursos para investir - não num evento de um mês - mas naquilo que possa significar um real benefício para o povo brasileiro. Os estrangeiros vem e vão. Mas nós continuamos aqui lutando para construir uma sociedade que se orgulhe de atender com dignidade os seus cidadãos e cidadãs!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …