Pular para o conteúdo principal

Reflexões sobre a Campanha...

Enquanto o Presidente exibe uma cara de quem vive no paraíso eleitoral, contrastando com a que exibia há um ano atrás no auge da crise do mensalão, seu principal opositor começa a dar sinais de quem já está nas cordas.
A razão é simples e a expus desde que comecei a comentar a campanha presidencial: Lula sabe manejar muito bem a chave do cofre e a imagem de mídia. Sentado em números e em frases de efeito, o Presidente tem somente uma tarefa até o dia primeiro de outubro: passar a imagem de quem ainda não concluiu a sua tarefa.
A fragilidade de Alckmin é evidente. Nem o discurso de Eloisa Helena abala a tranquilidade que Lula adquiriu a partir do inicio do ano, com a reversão da opinião pública em relação ao seu governo.
No entanto, esse clima de inexpugnabilidade do Presidente pode gerar uma campanha pobre e desmotivadora para o eleitorado, como está sendo exposta pelos programas eleitorais na midia.
Nem parece o confronto de quatro anos atrás, quando se tinha um divisor ideológico mais nítido entre a situação e a oposição.
A construção discursiva da oposição se relega ao lugar comum das promessas tradicionais, sem apresentar os instrumentos e metodologias para motivar o eleitorado. Parece não existir nenhum meio novo de efetivar mudanças que precisam ser feitas. Toda proposta deveria apontar não somente o "que", mas igualmente o "como". Isso é educação política. Isso desperta o interesse do eleitor.
A construção discursiva do Presidente padece do mesmo vício. É como se nos últimos quatro anos se tivesse resolvido o grande desafio da sociedade brasileira. Permanecem como muito graves a exclusão de direitos e a concentração de renda e de terra. Mas nada de novo, a não ser a exibição de números e façanhas, é apresentado ao aleitorado.
Nesse contexto de lugar-comum discursivo, ganha quem está na função de governo. Parece que a sociedade brasileira está um pouco anestesiada e descrente de mudanças, com a sensação de que votar é apenas um gesto burocrático.
Isso não é bom. Nem mesmo para o Presidente que caminha a passos largos para uma re-eleição. O segundo mandato não pode ser construido somente sobre uma sensação de que não há alternativas a ele. É preciso criar um diferencial programático na direção de mudanças que, sabemos, precisam ser feitas!

Comentários

Carlos/DF disse…
Realmente a campanha está das piores. Quem imaginaria uma "oposição" tão calada, diante de tanta corrupção e roubalheira. Nunca se teve tanto material p/ utilizar contra outro como agora. Todos estão calados. Os "estúpidos" intelectuais e seus artigos mornos, ainda procurando "puxar o saco" do Lula de maneira civilizada. Bons tempos aqueles em que Sarney, FHC.. eram criticados asperamente- com convicção pelos "intelectuais". Todos estão calados, aguardando mais 4 anos de mensalões, sanguessugas, economia estagnada, banqueiros empanturrados de tanto lucrar, o pagamento de quase 100 bilhões de juros só no primeiro sementre/2006, a carga tributária de mais de 37% do PIB e por aí vai. Cadê os 10 milhões de empregos? Cadê a reforma agrária deste governo? Falo isto como um cidadão indignado, que nunca foi filiado a partido algum, que vê o cenário político brasileiro o pior possível. Não sei ainda em quem votar, mas sei que de Lula e Alckmin quero distância, é tudo farinha do mesmo saco.
Roney Belhassof disse…
Meu pai é da era do rádio e ele me contava que o herói dele era o Sombra. Sua frase de efeito era "quem sabe o mal que vai no coração dos homens? O Sombra sabe!"

Pois então, gostaria de ser o Sombra para entender o mal e o bem que condicionam as decisões dos nossos 90 milhões de eleitores.

Ainda assim tenho minhas teorias.

1- Aos olhos do povo todo político é potencialmente ladrão, então com noves fora isso acaba não entrando na equação;
2- O bombardeio em cima do Lula e do PT foi tão intenso que talvez tenha despertado desconfiança na população que, bem ou mal, se identifica com a imagem pública do Lula;
3- Para quem é pobre a situação talvez pareça melhor hoje e são poucos os brasileiros que não são pobres, né?

Preferia um outro presidente, mas creio que nós estamos em vias de conquistar algo muito mais importante: consciência política.

Acho que a vitória do Lula não é dele, mas uma demonstração pública de descrédito com as manipulações da mídia e a leitura crítica da mídia é uma das mais importantes conquistas em uma democracia.

Na elite também está havendo um interesse muito maior em política exemplificado pelo recente caso Xô Sarney.

Apesar de tudo isso os intelectuais estão realmente muito apáticos.

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…