Pular para o conteúdo principal

Relativismo e Democracia

Parece que o conceito de Democracia no Ocidente está realmente fadado a cair em total descrédito, por um certo cinismo prático adotado pelas nações ricas com relação à outras partes do planeta.
É mais ou menos assim: democracia é ótima desde que seja a nosso favor. Os maiores exemplos disso são os EUA e seus aliados incondicionais no front do que chamariamos de democracias de farda. São aquelas democracias que fazem da intervenção militar o braço legitimador dos interesses econômicos e culturais de suas "iluminadas" sociedades.
A intervenção no Iraque, na política do Oriente Médio e o combate a qualquer regime que ouse defender a autodeterminação dos povos, são evidências desse modelo de patrola imperialista.
O incômodo de Washington com o avanço das forças de esquerda ou mesmo de movimentos nacionalistas revela a enorme contradição e o relativismo do conceito de Democracia, como regime em que a vontade da maioria se torna o alicerce de governos legítimos.
O caso mais recente é o das eleições palestinas. A vitória do Hamas incomodou por demais os mentores da política externa norte-americana. A reação diante da inesperada derrota de um grupo que era mantido sob controle econômico e que não tinha força suficiente para impor uma agenda proativa no conflito palestino-israelense, pegou os EUA e a União Européia de calças curtas.
Agora a questão é mais complexa. O Hamas defende a autonomia do Estado Palestino e a saida imediata de Israel das terras ocupadas. Inclusive toma por ponto de partida a configuração de um Estado palestino dentro dos limites de antes da Guerra de 1967, conforme a própria ONU reconhece e já recomendou reiteradas vezes que Israel respeite.
Diante disso a postura dos EUA e da União Européia é a de domesticar o Hamas. A ameaça de suspender o apoio financeiro essencial para a manutenção de uma estrutura mínima da Autoridade palestina constitui expressão cínica e contraditória. Usam o argumento econômico como forma de manter seus interesses na região. Essa postura só pode piorar a situação.
Daí a pergunta: o que é democracia para o Ocidente? É ou não um valor absoluto, conforme juram de pé juntos seus líderes? Se não é - e a realidade está ai para provar - seria melhor deixar cair a máscara e assumir que não existe nenhum interesse maior do que o da continuidade da tutela externa sobre o Oriente Médio. A Democracia é aceitável enquanto estratégia de legitimação de interesses dos países ricos. Mas ela é relativa se confere poder e legitimidade a quem contrarie o humor dos acólitos do Presidente Bush.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…