Liberdade de Expressão x Intolerância

Não bastasse a surpreendente vitória nas eleições palestinas do grupo Hamas, ala francamente belicista que o Fatah, surge agora um sério problema para a União Européia: o furor dos mulçumanos contra a blasfêmia publicada em jornais europeus nos últimos dias.
Em nome da liberdade de expressão, a imprensa da Dinamarca, França e Noruega publicou charges de Maomé, revelando assim a imagem caricaturada do Profeta fundador do Islã. Pelos princípios do Alcorão, é proibido haver qualquer representação da imagem do profeta sob pena de se cometer idolatria. A gravidade da situação se dá ainda mais pela exposição até certo ponto preconceituosa da figura mais sagrada para os fiéis do Islamismo.
A reação foi imediata e em medida absolutamente radical por parte dos mais fundamentalistas, incluindo ameaças contra os países e seus representantes diplomáticos, nos territórios sob hegemonia religiosa mulçumana.
Num constante diálogo entre surdos, o conflito ocidente versus oriente parece ter agora um novo motivo. Perfeitamente evitável se não houvesse, por parte da imprensa, uma certa falta de escrúpulo no trato de questões ligadas à religião.
A liberdade de expressão não pode mexer desmesuradamente com certas dimensões místicas que compõem o universo das religiões. Se por um lado sou absolutamente contra o radicalismo fundamentalista islâmico - assim como qualquer fundamentalismo religioso ou político - não posso concordar com a insensibilidade preconceituosa de alguns.
Parece que a Europa branca e cristã ainda mantém um que de superioridade civilizatória na sua relação com as outras expressões religiosas. Essa postura, que também é cinicamente assumida pelos Estados Unidos, só tem acirrado conflitos.
A liberdade de expressão tem o limite do respeito. Ela não pode ser absoluta e para tanto existem regulamentos legais que oferecem o direito de reparo moral a quem comprovadamente se sente atingido.
Os governos da União Européia tem agora a responsabilidade de conter a fúria dos milhões de mulçumanos que vivem em seus paises. E as lideranças do mundo islâmico devem buscar a reparação moral devida sem o uso de meios violentos que a ninguém serve.
A questão é se os animos já não se encontram fora de controle!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Visita do Papa ao CMI: gesto de comunhão e cumplicidade para testemunhar unidade

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia