Pular para o conteúdo principal

Crise Política e Controle Social

A presente crise política expõe com clareza cristalina o quão frágil é o relacionamento entre Sociedade Civil e Estado, em nosso País. Parece-nos que a relação entre os dois entes só tem nexos claros a partir do que se chama processo eleitoral. Consolidado o momento eleitoral que outorga aos representantes do povo o poder de gestão sobre a coisa pública, reduz-se fortemente o poder da Sociedade Civil que, sem mecanismos de fiscalização realmente eficazes, se submete ao risco de uma má gestão até o próximo momento eleitoral.
Mesmo os dispositivos legais que permitem alguma forma de monitoramento do desempenho dos gestores são frágeis e a solução de problemas geralmente demora pela letargia do poder político e do poder judiciário. Os dispositivos constitucionais, que garantem à Sociedade Civil o poder de controle sobre o Estado, têm, na maioria dos casos, poder meramente declaratório de princípios, faltando implementação efetiva.
Não negamos com isso o relativo avanço da Sociedade através da mobilização e constituição de esferas de participação como, por exemplo, os Conselhos e Fóruns. Mas mesmo nesse campo é possível identificar uma diversidade de papéis e competências que minimizam o poder dos representantes do povo.
Tomemos o exemplo da atual crise política. Acusações de corrupção ativa e passiva atingem membros do Governo e do Congresso. O processo de investigação dessas alegações corre numa dinâmica em que os próprios poderes envolvidos têm, eles mesmos, a legitimidade de realizar. Mesmo o Poder Judiciário, a quem compete declarar definitivamente a responsabilidade dos agentes envolvidos, só tem ingerência a partir da configuração do indiciamento que por sua vez depende da investigação.
Enquanto isso, a Sociedade Civil fica em compasso de espera paciente, sem nenhum poder de interferir no processo. E, dependendo do grau da crise, o Estado fica paralisado com prejuízo evidente da dinâmica das políticas públicas.
Crises como a atual tem causado enormes prejuízos ao País. O Congresso não consegue deliberar pautas urgentes e necessárias. O espetáculo televisivo das CPIs se arrasta de forma exaustiva para deleite das pautas da mídia. O Executivo fica refém das deliberações do Congresso e só consegue manter a máquina funcionando na capacidade mínima. O Judiciário fica em compasso de espera do que seja concluso nas CPIs.
Precisamos urgentemente repensar a arquitetura do Estado brasileiro. O mandato dos gestores públicos não pode ser absoluto. Algum mecanismo de efetivo controle tem de ser pensado. Sem prejuízo da competência dos Poderes, a Sociedade precisa ter instrumentos que garantam a soberania popular. A criação de uma instância independente, composta por representantes da Sociedade Civil, com poderes inclusive suspensivos de mandatos públicos, em casos de indícios de crime de responsabilidade, e até que a responsabilidade definitiva seja declarada, ou não, poderia significar um grande avanço na direção de uma democracia participativa.
Mas é importante ressaltar que controle social não deve existir apenas em momentos de crise, como a que vivemos atualmente. Ele tem que se dar previamente, lá nas origens – onde se definem as prioridades – de forma deliberativa e com poder vinculante. É hora de o Estado brasileiro deixar de ter gestores públicos absolutistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…