Pular para o conteúdo principal

Não deixaremos a Democracia morrer

Um triste espetáculo de cinismo está em curso em nossa conturbada República. O Estado de Direito, de forma incompreensível para quem entende o que é sistema político, foi desrespeitado pelo Congresso Nacional, com a conivência do Judiciário. 

O governo interino de Temer expõe os sinais explícitos de que o que sempre esteve em jogo não foi a prática de crime pela Presidenta mas sim o ódio porque as urnas sempre lhe negaram nos últimos quatro pleitos a oportunidade de voltar à gestão do Estado. E voltar para fazer o Brasil andar para trás. 

A artificialíssima cultura do combate à corrupção, construída intencionalmente pela mídia e que recebeu a simpatia de uma classe média com medo de perder privilégios, criou as condições que sedimentaram a aliança dos segmentos conservadores para inviabilizar o governo de Dilma. Faltava a legitimação institucional civil, já que os militares não estavam dispostos a nova aventura de controle político impopular. O Congresso e o Judiciário não decepcionaram os golpistas e ofereceram o carimbo oficial. 

Se alguém - mesmo bem intencionado e capturado pelos editoriais golpistas da grande mídia - pensou que estava apostando numa mudança, deve estar agora em vias de ir ao divã.  Deve estar se perguntando porque a sociedade internacional olha para os golpistas com tanta desconfiança, como no tempo da Ditadura militar. Deve estar se perguntando porque tantos indiciados e réus por corrupção posam para a fotografia oficial deste governo interino.

Em apenas 24 horas de governo interino, Temer conseguiu mostrar o que teremos pela frente. Corruptos investigados e réus em processos penais e eleitorais são os que ocupam ministérios e secretarias nacionais. Nenhuma mulher em nível de ministério. A Controladoria Geral da União extinta. Ministério da Cultura extinto. O que temos na tela é um filme de questionável qualidade. Um governo sem legitimidade, sem apoio internacional e coberto de suspeitas de atender somente os interesses das elites não tem futuro.

Temer pagará caro por sua traição e não escapará à pressão da sociedade brasileira. Os movimentos sociais, as forças progressistas, artistas, o movimento estudantil, os setores progressistas das Igrejas e religiões, as mulheres, os movimentos LBGTI estão mobilizados para recuperar a nossa democracia. A rua é o lugar do embate do projeto de sociedade voltado para as maiorias excluídas. A ocupação dos espaços físicos de poder institucional, de forma pacífica, ordenada e com claro objetivo de expor o processo de expropriação de nossos direitos é o caminho que se deve seguir. 

Não vamos deixar a Democracia morrer. Lutamos muito por ela e não deixaremos que nenhum direito conquistado seja perdido. É hora de mostrar que o Brasil não teme a luta por uma sociedade justa, baseada em princípios democráticos e do respeito às leis.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…