Pular para o conteúdo principal

Dia do meio ambiente: cuidado com as fachadas


Neste dia mundial do meio ambiente gostaria de provocar uma reflexão sobre a conjuntura que vivemos hoje no Brasil e no mundo, especialmente quando nos aproximamos da Cúpula dos Povos na Rio+20.
Diante do cada vez maior clamor dos povos a respeito da necessidade de se fazer uma mudança radical no modelo econômico, as elites mundiais continuam desenvolvendo suas estratégias de dissimulação. A prova é que o documento que deve chegar à Rio+20, elaborado pelos governos e depois de muitas rodadas  de negociação, pode representar um tímido acordo entre as elites políticas. E certamente postergará para a próxima Conferência as decisões que já deveriam ter sido tomadas há uma década atrás. 
Só existe uma esperança para a Rio+20 avançar: a mobilização política da sociedade civil contra a dissimulação do sistema. 
O Capitalismo está em crise e, ao contrário do que muitos podem pensar, ele tem um enorme poder de se adequar às crises, mudar algumas máscaras e continuar sendo o que sempre foi: um predador da natureza e de vidas. A moda agora é batizar o filho bastardo de economia verde. E a capacidade de construir discursos legitimadores é tão grande que até algumas vozes críticas acabam por se encantar com essa nomenclatura.   
O que é economia verde afinal? Um rótulo diferente para um remédio antigo e amargo. A economia verde esconde por traz de suas pretensas mudanças hermenêuticas o mesmo projeto: explorar desmedidamente a natureza e os povos. O homos economus  não abre mão do seu poder de produzir mais riqueza sob a alegação de que é preciso crescer para melhorar a qualidade de vida dos povos. Este discurso já está com prazo de validade vencido há tempos!
A economia verde não propõe inversão do modelo energético. Não propõe um repensar do consumo. Não repensa a questão da concentração de riquezas. Pode até se preocupar com algumas coisas cosméticas do tipo reciclabilidade, padrões mais ambientalistas e socialmente aceitáveis, entre outras fachadas, mas não abre mão da necessidade de continuar enchendo as carteiras dos financistas e tecnocratas que infelizmente se adonaram dos estados nacionais. 
Economia verde é quase como se ter papel reciclado nos extratos bancários mas para o que cobram autoritariamente o que querem de seus clientes em termos de taxas e juros. 
Ou então é o mesmo que utilizar sacolas plásticas biodegradáveis mas sem mexer com os atravessadores que compram dos produtores o mais barato possível e lucram com preços exorbitantes na prateleira do supermercado. Não mexe com a monocultura que produz óleos e combustíveis vegetais, reduzindo a área de produção de alimentos. E aqui se poderia apontar inúmeros exemplos de como a fachada bonitinha apresenta um cordeiro, mas que por traz dela existe o mesmo lobo de sempre!
A Igreja e os movimentos sociais são desafiadas a mostrar a sua força na Rio+20. Precisam questionar os poderosos deste mundo a respeito de seus acordos de cavalheiros para continuar fomentando uma economia que destrói o meio-ambiente, escraviza as pessoas, e mantém uma diferença vergonhosa entre privilegiados e excluídos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…