Pular para o conteúdo principal

D. Cappio e seu testemunho sobre a transposição do S. Francisco

Ouvi uma profunda reflexão do bispo Luiz Cappio sobre a crise da água.Um homem que fala com autoridade e paixão sobre o tema da água e sua militância política e espiritual contra o maga projeto de transposição do Rio São Francisco.

O processo de destruição do Rio vem a galope. Em 1928 a vazão média do rio era de 3.000 metros cúbicos por segundo. Hoje essa vazão está em 600 metros cúbicos. O represamento ocorrido desde a década de 40 é o grande responsável por essa perda de vitalidade do rio.  O projeto de transposição não garante em nenhuma hipótese a qualidade de vida dos ribeirinhos. Os grandes beneficiários serão as minorias e seus conglomerados financeiros, ávidos pelo monopólio da água e das terras da região. Abaixo, algumas das principais assertivas da fala do bispo Cappio:

"É preciso respeitar a natureza. Ela merece o cuidado. Os projetos grandiosos em torno do quais se aglutinam forças excusas enganam o povo e o submetem ainda mais aos interesses de uns poucos em troca da miséria de muitos. Não basta dizer não ao projeto de transposição do Rio São Francisco e a outros projetos como Belo Monte. Precisamos de uma política de desenvolvimento que garanta os recursos naturais e ainda mais o bem mais valioso que temos: a água. Ela é patrimônio de todos os seres vivos e não apenas do gênero humano.

A declaração ecumênica da água é clara na sua afirmação de que a água deve ser um bem universal e cuja gestão seja social.

Precisamos pensar e construir um futuro em que todos tenham pão para comer, água para beber e terra para trabalhar. Este é um grito que vem de um pastor que vive no sertão e que deseja que seu rebanho tenha vida com decência. É preciso espantar os lobos vorazes que buscam vítimas para saciar a sua fome mesquinha.O projeo do governo se constrói sobre falácias e com uma forte propaganda contra a qual é preciso estarmos juntos.

Quand concluimos o primeiro jejum, nos reunimos com o governo e com organizações sociais para buscar alternativas. Unilaterlamente o governo saiu do diálogo. O Atlas do Nordeste - publicação do próprio governo - nos trouxe opçoes de projetos. O projeto de transposição pelo qual o governo optou está orçado em 20 bilhões de reais e está sendo financiado com capital privado de grupos internacionais. Foi por essa indiferença e autoritarismo que optamos pelo segundo jejum.

O planeta é este imenso campo e o povo é um imenso rebanho que precisamos cuidar. Se nada for feito, em trinta anos teremos cerca de 40 países estarão com serios problemas de abastecimento de água, com impactos incalculáveis sobre seus povos". 

Foi uma experiência muito impactante ouvir ao vivo e captar a paixão de D Cappio pelo povo ribeirinho e em como ele encarna a mensagem que busca difundir pela defesa da natureza, do rio e da água como um todo.

Fica o desafio para as Igrejas e para a sociedade como um todo de pautar como prioritária a agenda da defesa da sustentabilidade ambiental.

Posted via web from conxico's posterous

Comentários

Ann disse…
Congratulations on your election

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…