Pular para o conteúdo principal

Fear and exclusion: new challenges for the Communion

The decision of removing representatives of The Episcopal Church and of the Church of Canada from ecumenical networks represents the most drastic change amidst the theological conflict within the Anglican Communion.

In my point of view the Archbishop of Canterbury moved a piece of high risk and the consequences of such recommendations are what it is not possible to predict. The Pentecost Letter addressed to the Communion was one of the most contradictory documents in our history as Communion.

At the heart of a feast of the unity, we heard a message of discipline and exclusion. Absolutely strange for a moment in which other Christian traditions were celebrating the gift of the Holy Spirit giving to the Church power to be in one faith and witness. For us, the Archbishop`s letter showed our fracture and incompetence to stay on the table of dialog, wishing to hear the God`s will.

In our Provincial Synod, we heard from the mouth of our Archbishop Mauricio that in the heart of God hasn`t place for boundaries. Our delegates approved unanimously a motion of solidarity with brothers and sisters from TEC and Canada and a letter to the Communion will be issued about punitive actions gone to Provinces who has been looking to welcome all the persons without barriers and prejudices.

Pentecost - as I wrote in an previous post - means to jump for the newness of life. To surpass the ignorance and to know the language of the love. The disciples were afraid and they were freed to speak, to welcome and to build a new community with persons who were strange for them in everything: language, customs and values.

In the installation of the National Cathedral of the Province of Brazil in Porto Alegre, at the Trinity Sunday, we had a true Pentecost. They were there Buddhist, religions afro, Roman Catholics, Muslims and people of several religious background. An unforgettable demonstration of fraternity. It is for that that purpose the Church exists: to be a sign of reconciliation and welcome.

Regrettably our Communion has not been able to surpass the challenges of the diversity. Now, besides this difficulty, we have the mark of the fear and of the exclusion.

The Episcopal Anglican Church of Brazil stands in solidarity with our sisters churches in USA and Canada and our hope is that we can reaffirm our commitment in welcome people to live their faith fully and with confidence in the gracious love of God!

Comentários

Bob MacDonald disse…
Thank you for this note - As God is one, so are we one in God.
Dawn Leger disse…
Speaking on my own behalf, thank you for your encouragement and support. While I sit in General Synod waiting to hear the mind of my church, it is good to know we are not alone.
Anônimo disse…
My deepest thanks to the Igreja Episcopal do Brasil for your support of TEC and the Anglican Church of Canada. Despite my personal positions on the issues that fill the Anglican Communion, and indeed the whole world, I am utterly convinced that our deepest calling is to stay together as brothers and sisters in Christ. Schism is the most serious sin in all of this. I felt very lonely until I read of the gracious support of your Sinodo. Thank you.

The Rev. Charles Grover
Retired priest in TEC
clgrover@twcny.rr.com

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…