Pular para o conteúdo principal

Os Turistas: colonialismo puro!

A despeito de vivermos no que chamamos de mundo globalizado, onde é possivel se acessar informações de maneira quase instantânea sobre tudo, o preconceito e os estereótipos continuam a ser uma marca incrivelmente incômoda.
As recentes reações ao filme "Os Turistas" feitas por intelectuais e formadores de opinião revelam um profundo preconceito que a chamada cultura média estadunidense - emesm oa européia - tem de nosso País.
Me impressiona a falta de conhecimento, até mesmo elementar, sobre nosso povo e nossa cultura. O Brasil é retratado como uma terra de ninguém, onde a bestialidade impera e onde os brancos do norte se encontram ameaçados em sua dignidade e superioridade. Isso é puro colonialismo cultural.
Para qualquer espectador que não tenha senso crítico ou conhecimento mínimo sobre nosso País, o filme é aterrorizante.
Mas não me surpreendo com isso. O Brasil, a despeito de seu tamanho e influência geopolítica na América do Sul, continua sendo um ilustre desconhecido para os que habitam acima do Equador. As gafes históricas que até Presidentes dos Estados Unidos cometeram em atos oficiais diplomáticos - tipo chamar o Brasil de Bolívia ou dizer que nossa capital é Buenos Aires - são apenas um indicativo de como somos estereotipados por uma não-identidade própria.
Quem já viveu fora do Brasil sabe o que é isso. Somos absolutamente ausentes da mídia internacional. O que se retrata do Brasil lá fora é apenas o grotesco e o alarmante. Mesmo nossos irmãos vizinhos do Sul nos desconhecem. Até mesmo em Portugal, que por razões históricas tem muito mais laços conosco, nossa imagem é a da quase não imagem.
Nacionalismos babacas à parte, precisamos construir algum processo de visibilização realista de nosso povo e de nossa cultura. E para isso talvez seja necessário que nossa própria mídia deixe de nos ler com os olhos do primeiro mundo. Por outro lado, uma política cultural que sedimente mais claramente nossa afro-indígena-latinidade também poderia derrubar alguns mitos que permeiam as cabeças vazias de quem constrói imagens no mundo anglo-saxônico.
Fica o desafio do resgate de nossa imagem como um povo que tem defeitos e limites como qualquer outro, mas da mesma forma tem virtudes que precisam ser melhor apreendidas pelos nossos vizinhos, os de perto e os de longe! Quem sabe eu não vá aos Estados Unidos, na próxima vez, com uma camiseta dizendo assim: Calma...eu sou civilizado!!!

Comentários

Luiz Alberto Barbosa disse…
Bom comentário. Realmente a imagem do Brasil é quase nula e, geralmente quando aparece algo na mídia tem a ver com futebol, Carnaval e Violência. E o pior, geralmente o nosso governo e nós mesmos alimentamos estas imagens no exterior. Somos um povo tido como exótico, lascivo, corrupto e preguiçoso. E assim a vida continua.
Marcelo disse…
Para mudar nossa história é necessário primeiro por os pés no chão encarando que o Brazil é estranho para seu próprio povo, que te sido expulso de condições básicas de vida social, e assim anda errante. Nota-se que o Brazil é ignorado porque isso é interessante para os donos do país. O que se reque é uma mudança revolucionária. Quando o povo resolver reclamar a riquesa que tem sustentado poucos, inclusive do primeiro mundo, aí teremos identidade; aí seremos conhecidos. Isso NOS interessa?
Roberto Almeida disse…
Evidentemente que dos +- 5 milhões de turistas estrangeiros que vem ao Brasil, com certeza a grande maioria não vê o país de forma tão negativa, gostam daqui e sempre retornam. No quesito turismo o que queima a nossa imagem é a violência e a falta de atitudes mais drásticas por parte dos governantes. O nordeste tem sido um excelente destino p/ os estrangeiros como portugueses, italianos, alemães, espanhóis, argentinos...ruim p/ o Rio de Janeiro. Um outro detalhe, é que muitos Brasileiros preferem passar férias no Caribe, Europa ou EUA- deixando de conhecer primeiramente seu próprio país.

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …