Pular para o conteúdo principal

O que vale pra VALE?

Confesso que fiquei estarrecido ao tomar conhecimento de uma representação da Cia Vale do Rio Doce contra o Governo brasileiro na OEA. Se fosse alguma ONG de direitos humanos ou alguns dos movimentos sociais ativos nesse país, com razões até de sobra para fazer isso, não seria surpresa.
Mas trata-se de uma das maiores empresas do mundo. Uma empresa que tem apresentado um desempenho de crescimento tão elevado que se constitui hoje no segundo conglomerado financeiro do aço e derivados do setor de ferro.
Lembro que a privatização da empresa foi um dos mais intensos debates ocorridos na sociedade brasileira, no auge da avalanche privaticista do Governo FHC. Sua campanha publicitária sempre exalta a importância do seu papel para o país e o seu compromisso com o meio ambiente. Geralmente campanhas caras, de peso, e sempre no estilo da legitimação de sua imagem perante a opinião pública como empresa relevante para o Brasil.
A razão para a representação contra o governo brasileiro se dá por causa da invasão de uma de suas instalações por um grupo de índios Xikrin, no ano passado, quando cerca de 200 indigenas tomaram conta das instalações em protesto contra a violação de direitos ambientais causados pela empresa.
Mas o mais ridículo na representação é o argumento de que a empresa gasta considerável volume de recursos para ajudar as comunidades nativas das regiões em que está estabelecida. E que o Governo não repassa esses recursos aos destinatários. Some-se a isso a solicitação de que o Governo tome medidas cautelares para evitar novas invasões. Alega a empresa que não existem políticas públicas adequadas para evitar os conflitos com os indígenas.
É rizível como os grandes conglomerados econômicos se apropriam de termos sem a menor coerência na compreensão dos mesmos e sem nenhuma compromisso com seus conteúdos. Isso tá virando moda num embate comunicacional onde por um lado se encontram os movimentos e organizações sociais defensoras de um projeto de desenvolvimento sustentável para o Brasil e de outro os grandes conglomerados econômicos interessados única e exclusivamente no aumento de seus lucros.
Se a moda pega, vamos ter daqui pra frente uma situação inusitada: as empresas vão querer fazer da OEA um palco para por o governo brasileiro na berlinda. Mas também será um teste para perceber qual é o real conceito sobre direitos humanos com o qual a Organização dos Estados Americanos trabalha.
Para a Vale, o que vale é o lucro. Infelizmente é nisso que dá certas 'desregulamentações' neo-liberais que criminalizam aqueles que não tem poder econômico, mas que são capazes de lutar por seus direitos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…