Pular para o conteúdo principal

Previdência Social e o Utilitarismo capitalista

Um dos assuntos que tem merecido séria atenção da sociedade brasileira nesse turbilhão de reformas "para trás", lideradas por uma elite política retrógrada e egoísta, é a chamada reforma da Previdência.
Eu, na verdade, não ousaria chamar de reforma, mas de desmonte mesmo.

Ela é parte de um articulado projeto de exclusão social dos mais vulneráveis em nossa sociedade. E a construção discursiva dos que defendem este desmonte é absolutamente falaciosa, mentirosa, que não esconde, para os mais astutos, que ela é apenas a consequência de uma elite que não quer socializar seus privilégios, não quer participar da conta comum e pagar o custo de uma sustentabilidade que deveria ser para todas as pessoas.

Primeira falácia: A Previdência esta deficitária.

Esta é uma mentira que nem pernas tem. Quem entende de números e quem conhece o arcabouço no qual está sentado o sistema, sabe que não há déficit. Os trabalhadores pagam a sua parte. Os empregadores maiormente pagam a sua parte. E quando não pagam tem essa dívida executada pelo Governo. Agora este último, sim, este não cumpre a sua parte porque desvia o que deveria ser para a Previdência para pagar juros da dívida pública.

Segunda falácia: A Previdência representa o maior gasto do Orçamento Federal

O maior item de gasto público no Brasil é, de longe com encargos da Dívida Pública. Em 2015, só pra se ter uma idéia, o custo com pagamento da Dívida Pública foi de mais 500 bilhões de reais. Os gastos com encargos previdenciários foram de 436 Bilhões, ou seja, mais de 60 bilhões de diferença, o que demonstra que o Governo gasta mais enriquecendo banqueiros do que com a seguridade social.

Terceira falácia: Aposentadorias no Brasil ocorrem muito cedo

Considerando a expectativa de vida do Brasil, ainda muito inferior à de países desenvolvidos, nossos trabalhadores se aposentam tarde. O que complica de fato, são as aposentadorias especiais concedidas principalmente a mandatários políticos do legislativo e do executivo, nas esferas estaduais e federal. Os valores destas aposentadorias e o acúmulo de aposentadorias e pensões constituem um enorme peso sobre os custos previdenciários, já que a maioria dos benefícios pagos pela previdência ficam em média em torno de 1,5 Salário Mínimo. Dos 33 milhões de beneficiários da Previdência, apenas 4,2 milhões recebem entre dois e três salários mínimos.

Evidente que tem muito mais falácias. Mas o mais perverso em tudo isso é uma linha de argumentação que claramente define - por vias utilitárias - que as pessoas que se aposentam são descartáveis exatamente porque agora não mais interessam ao sistema produtivo e vivem às custas dos que trabalham. Por mais que se esforce em mitigar o sentido dessa reforma, não há saída para a conclusão de que está afirmando que a velhice é um incomodo para o modelo capitalista.

O sistema só se preocupa com o que lhe confere produtividade e, por decorrência, o lucro. O Estado passa a ser o instrumento regulador dos donos do mercado. Perde assim a sua finalidade social de amparar as pessoas vulneráveis. As classes detentoras do controle político o instrumentalizam a partir de sua própria lógica de auto-indulgência que a justificam em razão de uma tal de crise sistêmica que deve ser enfrentada por todos (quando a tal crise sistêmica foi gerada pelos próprios ricos!)

Não há na proposta reforma da Previdência nenhuma medida de recuperar as dívidas previdenciárias de quem a lesa. Não há nenhum sinal de eliminação de aposentadorias milionárias de alguns servidores públicos que, usando das brechas da lei, acumulam proventos sem nenhuma justificativa ética.

Não há nenhuma política de seguridade que efetivamente ofereça serviço de saúde de qualidade, haja vista a precariedade do sistema. Até os medicamentos consomem boa parte dos rendimentos das pessoas aposentadas.

Só resta então as pessoas buscarem amparo em serviços privados de previdência e saúde. E para se ter acesso a isso, fica-se exposto às regras de mercado! Ou seja, vitimas da mercantilização de tudo: água, luz, saúde, segurança, educação e por ai vai!

Não podemos cruzar os braços. Precisamos resistir com a força que temos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…