Pular para o conteúdo principal

Um 31 que se repete tristemente travestido de institucionalidade




O Brasil vive hoje um terrivel momento de sua história recente. A democracia atingida de morte em 1964, criou forças e pela mobilização popular fez um longo caminho de volta à soberania do voto universal para todos os níveis políticos, eliminando assim a chaga de eleiçoes indiretas.

A recuperação da soberania popular, no entanto precisou ainda enfrentar os solavancos de crises políticas até que no inicio da década de 90 se passou a ter Presidentes eleitos diretamente pelo povo.

Mesmo assim, as elites mantiveram sua hegemonia legitimada pelas eleições até que pela primeira vez se elegeu um trabalhador para presidir o País, no ano de 2002. Depois de dois mandatos e com a mudança não ideal mas razoavelmente possível a transformação da pirâmide social começou a mudar.

Em 2010, depois de 78 anos de voto feminino, se elegeu a primeira mulher para a Presidencia da República, sinalizando para nossa sociedade patriarcal que o país avançava para mais mudanças. O governo da Presidenta Dilma continuou ainda mais o processo de transformação da sociedade brasileira e. mesmo, com as contradições inerentes à governabilidade política dividida com as elites conservadoras, avanços prosseguiam.

A reeleição de Dilma foi a gota d`água para quem andava arrepiado com mudanças nada desejadas pelas elites. A exposição de políticos do governo e da oposição com as investigações realizadas com absoluta autonomia pela Polícia, pelo Ministério Público e pela Justiça desagradou a quem antes andava sob as sombras da impunidade. A eleição de um Congresso ainda mais conservador ativou o gatilho de um processo de impeachment baseado em motivações políticas.

Não preciso lembrar aqui o triste e vergonhoso espetáculo que se sucedeu desde a posse da Presidenta em seu segundo mandato. O desfecho final aconteceu hoje, 31 (outro 31) com a decisão pelo afastamento e, pasmem, com a manutenção dos direitos políticos da Presidenta.

Ao contrário de ser um gesto de conciliação como se tentou caracterizar, o afastamento com esta dubiedade decisória é um atestado de papel passado de como o que as elites queriam exatamente uma única coisa: tirar do poder o incômodo de um governo respaldado pela maioria.

Se alguém duvidava da ruptura institucional, agora ficou clara a intenção de remover a Presidenta pelo conjunto da obra. 

Assume agora um governo que já demonstrou sua incapacidade programática, seu machismo e seu racismo social. Tudo dentro de uma legalidade formal que reproduz racismo,  machismo,  entreguismo e  impunidade. 

Como cristãos e cristãs, seguidores do movimento de Jesus nos resta resistir à luz dos valores que nos revelam claramente que o compromisso político do cristão (que não deve ter necessariamente caráter partidário) deve ser com os pobres, com os excluídos e com aqueles que são vítimas da violência econômica e social. Uma sociedade será tanto mais madura, razoável e feliz se, em sua estrutura, não sacraliza a exclusão, a pobreza e a exploração. 

O futuro do Brasil continua em nossas mãos. O futuro de nossa sociedade nos parâmtros de justiça social dependerá de nosso testemunho. Não somente nosso (como Igreja cristã) mas de todas as pessoas que tem o compromisso da diaconia e da luta para a superação de toda forma de exclusão. 


Oro pelo Brasil, pelo seu povo e por nós mesmos a fim de que jamais abdiquemos de lutar pelos valores que Jesus nos deixou como testamento a ser vivido. Seguimos adiante, com amor e fé e com oração.  E que a sábia História julgue aquele(a)s que tem o discurso da democracia nos lábios mas seus corações testemunham obscurantismo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…