Pular para o conteúdo principal

Vocação: somos todos chamados

Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda. Jo 15,16

Um dos temas mais complexos, mas igualmente essencial para vida do povo de Deus, é a compreensão do que seja vocação. A primeira coisa que vem à mente das pessoas é logo pensar em chamado para a vida religiosa através do ministério ordenado. Mas isso não é essencialmente verdadeiro. 

Primeiramente Deus é um ser relacional que deseja sempre ter intimidade conosco. Ele nos chama até mesmo antes da nossa consciência pessoal. Lembremos de Jeremias (1,4). Ao longo de toda a nossa vida, Deus continua insistentemente nos chamando: o Batismo é, por assim dizer, a nossa iniciação na fé e nos marca para sempre como filhos e filhas. Temos uma marca indelével de propriedade sagrada e amada por Deus. Independentemente do contexto em que estamos, somos pessoas especiais, chamadas a viver uma vida qualitativamente diferente. 

E assim vamos crescendo na fé e no conhecimento das coisas, da vida e de nós mesmos. O ambiente da comunidade eclesial nos oferece a constante disponibilidade de Deus, através dos sacramentos e do aprendizado de seu projeto de vida para cada um de nós. 

Vamos nos embrenhando pela vida, pelo conhecimento, pelos dons que vamos descobrindo no processo de auto-consciência e chegamos ao ponto de identificar o nosso jeito de nos sentirmos úteis, apaixonados pela vida e harmonizados. 

Mas será que é só isso que Deus deseja de nós? Certamente que não. É aí que entra - no plano eclesial - a reflexão sobre vocação. E ela começa quando questionamos Deus sobre o que Ele deseja que façamos para a alegria d`Ele. Não somos apenas recipientes. Precisamos identificar os caminhos de retribuir a Deus tudo de bom, de maravilhoso que recebemos de tantas pessoas, e em tantas inumeráveis situações. 

Este é o sintoma da reflexão vocacional: quando sentimos o desejo de ser o canal, o meio pelo qual tudo que recebemos precisa ser passado adiante porque percebemos que somos relacionais e que não podemos armazenar egoisticamente tanta bondade recebida. 

Nesse momento, Jesus nos chama. Quando já não aguentamos mais de tanto buscar o nosso lugar no mundo, o nosso papel, Jesus sabe que este é o momento adequado para nos dizer olhando nos olhos: Vem e segue-me!

Este chamado pode acontecer em uma circunstancia que ninguém pode prever. Mas que acontece, acontece! E cada um de nós precisa estar preparado! E esse chamado não pode ficar sem resposta. Eu fico imaginando o choque que os primeiros discípulos sofreram quando aquele homem se aproximou deles e os chamou para segui-lo. 

Seguir para onde? A vocação não é algo que vem com um plano de ação bem definido, com passos, estratégias e cronograma. A vocação é como uma deliciosa aventura. Você só precisa dizer sim. Eu acho muito interessante como Jeremias classifica a experiência do chamado de Deus: uma sedução! 

Aí você pensa: que coisa boa! Semana que vem eu vou pro Seminário, estudo alguns anos e vou me tornar um reverendo/reverenda! Negativo! Você se dispõe a seguir a Jesus e ele vai te levar para onde Ele sabe que você vai se sentir feliz, seja na vida secular seja na vida religiosa. A vocação não é uma circunstancia de massificação. Ela é pessoal e quando acontece o chamado, Jesus chama você pelo nome, a exemplo do chamado dos discípulos. 

Você pode ser chamado para diferentes ministérios. Na comunidade eclesial há muitos distintos ministérios e entre todos eles há um lugar especial para cada um de nós. Já afirmava o apóstolo Paulo essa diversidade de ministérios e a complementaridade entre eles, de acordo com os dons de cada um (1Co 12,4-6).

Agora pensemos na oportunidade que Deus dá a cada um de nós, nestes tempos desafiadores. Já pensou em como a Igreja necessita de pessoas com diferentes habilidades para ajudar o povo de Deus a cumprir com eficácia a sua missão? Administração, comunicação, louvor, ações evangelizadoras, ações sociais, ensino e catequese, oração, incidência pública, ....certamente seria muito extensa a lista. Dentre os muitos ministérios, encontramos um muito especial: o cuidado pastoral de um rebanho local que necessita que lhe seja assegurada a alimentação na fé. Este ministério é o ministério ordenado dos reverendos e das reverendas aos quais cabe a liderança espiritual da Igreja, reconhecida e instituída por ela. 



 uma história que eu li em um devocional publicado pela Sociedade de São João Evangelista. É  sobre o um rabino russo chamado Zusia. Um diaalguns alunos estavam falando com ele e disse que um primeiro lhe perguntou: "Rabi Zusia, tenho medo que quando eu aparecer diante do Santo dos Santos que ele vai me perguntar, 'por que você não teve a  de Abraão?' Um segundo aluno acrescentou: ' Eu tenho medo de que quando eu estiver diante do Santo dos Santosele vai me perguntar, 'por que você não teve a paciência de Jó?' E ainda um terceiro estudante disse: ' Rabieu tenho medo deque quando eu estiver diante do Santo dos Santos ele vai me perguntar, 'por que não teve a coragem de Moisés?'

Então perguntaram ao Rabino: 'Rabi, quando você comparecer diante do Santo dos Santos qual é o seu medo da pergunta que lhe será feita? O Rabino Zusia respondeu: ' quando eu aparecer antes diante do Santo dos Santos meu medo é que ele vai me perguntar, ' Zusia, por que você não teve a coragem de ser Zusia?'"

Atender ao chamado de Jesus para um ministério não representa assumir nenhuma máscara. Quando Jesus chama os discípulos e a cada um de nós, Ele nos chama como somos e com o que temos, todos com sombras e luzes, com virtudes e com defeitos, os quais Ele mesmo molda nossa vida para o serviço do povo de Deus. 

Na medida em que estamos vivendo um momento de renovação de nossa juventude diocesana e provincial, muitos deles podem estar se questionando sobre o seu chamado (como jovens) para melhor servir a Deus. Para muitos deles pode estar havendo um burburinho na cabeça e no coração a respeito de sua vocação (chamado). 

O fato de terem vivido a recente experiência do ENUJAB e dos encontros diocesanos e paroquiais, foi sentido como uma benção. E o foi realmente. O grupo se sentiu como grupo mesmo. Houve uma interação natural e amorosa em Brasília. Muitos se emocionaram e descobriram que tantos outros jovens  vivem o mesmo desejo de servir a Cristo. No meu sermão de encerramento eu perguntei se estavam dispostos a dizer sim a Jesus e ouvi uma sonora resposta: SIM! 

Jesus está olhando cada uma(a) de vocês nos olhos. E está dizendo: segue-me! Por que não refletir seriamente sobre isso? E ele está disposto a dar a vocês a orientação e a serenidade para discernir como viver a sua vocação pessoal. Vamos levar a sério este chamado? Você só precisa dizer como Samuel: fala Senhor que teu/tua servo(a) ouve!

++Francisco
Primaz do Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …