Pular para o conteúdo principal

A vergonha e o descaso com nossos povos indígenas não pode ser tolerada



Uma vez mais manifesto minha tristeza e indignação em como nosso governo e as elites brasileiras ( e nisto não há divergência entre ambos) tem tratado com absoluta indiferença a questão indígena brasileira.

Estamos roucos - sociedade civil, igrejas e organismos internacionais - de chamar a atenção para o estado de abandono e de omissão completa de políticas afirmativas para a defesa dos direitos de nossos povos ancestrais. 

A mídia, patrocinada por amplos setores econômicos interessados em excluir os povos indígenas de suas reservas, assume um silêncio cúmplice com esta violência. O Congresso Nacional, em sua estratégia dominada pelos setores elitistas da sociedade, teima em retirar as garantias conquistadas no processo constituinte de 88. O judiciário, com uma lentidão paquidérmica, tem arrastado por anos decisões importantes que deixam à própria sorte e ao laisser faire o confronto desigual entre indígenas e grileiros, sempre fatais para os primeiros.

É preciso agir. Estaremos como Igreja representados nos eventos que terão lugar na primeira semana de outubro, no Mato Grosso do Sul, em torno da grave violência que as comunidades Guarani-Kaiowá naquele estado. Ali haverá audiência pública e visita à área de reserva dos indígenas no intuito de chamar a atenção da sociedade civil de que temos uma situação que pode eclodir a qualquer momento com graves consequências para a comunidade indígena. Estaremos ao lado de organismos como o CONIC, Koinonia, CEBI e CIMI, entre outros, levantando a nossa voz contra a injustiça e o descaso.

Diversas agressões da pistolagem de grileiros e senhores do agronegócio tem provocado vítimas e mortes sob o olhar complacente dos órgãos de segurança pública. Chega de omissão. Chega de intimidação. O Evangelho nos impõe o dever de defender a dignidade  dos povos indígenas. Furtar-se a esse testemunho é se tornar conivente com a injustiça. 


Francisco de Assis da Silva

Primaz do Brasil e Diocesano em Santa Maria

Comentários

Muito bom Dom Francisco. Trabalhei com os Makuxis e Yanomamis. Vi a lixeira de Boa vista-RR com centenas de makuxis que havia sido expulsos de sua terra a Raposa Serra do Sol. Com os Yanomamis travávamos verdadeiras batalhas com garimpeiros. A ponto de fecharmos a única estrada de acesso ao Catrimani - comunidade yanomami. Enfim, são nossos ancestrais como bem falou o senhor.

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…