Pular para o conteúdo principal

Mudanças Climáticas e o compromisso das religiões


Documento de Lambeth 2015 sobre as Mudanças Climáticas.


Como líderes de comunidades de fé, reconhecemos a necessidade urgente de agir diante das mudanças climáticas.

Das diferentes perspectivas das nossas variadas crenças, enxergamos a terra como um lindo presente. Somos chamados a cuidar dessa terra e temos a responsabilidade de viver de maneira criativa e sustentável num mundo de recursos finitos.

As mudanças climáticas já estão afetando, desproporcionalmente, os mais pobres do mundo. O clamor da justiça e também da natureza exige que as nações do mundo procurem urgentemente reduzir o aumento global da temperatura média para, no máximo, 2 graus Celsius, segundo o acordo das Nações Unidas em Cancun. Temos a responsabilidade de agir agora, para nós, para nossos vizinhos e para as gerações futuras.

A escala da mudança necessária para iniciar a transição para uma economia de baixo carbono é considerável e a tarefa é urgente. Precisamos utilizar o melhor dos nossos recursos intelectuais, econômicos e políticos. A espiritualidade é um poderoso agente de mudança. A fé tem um papel crucial na realização de mudanças individuais e coletivas.

Estamos chamando as nossas comunidades de fé para:
Reconhecer a urgência das ações envolvidas na transição para uma economia de baixo carbono;
Desenvolver os recursos espirituais e teológicos que podem nos fortalecer individualmente e em conjunto nos cuidados com a terra, com os outros e com as futuras gerações;
Incentivar e orar por aqueles que estão engajados nos esforços intelectuais, econômicos, políticos e espirituais necessários para enfrentar essa crise;
Trabalhar com as nossas comunidades e parceiras no Reino Unido e internacionalmente para mitigar os efeitos das mudanças climáticas nas comunidades mais pobres e vulneráveis no mundo;
Trabalhar a partir de exemplos de ações locais e internacionais para viver e trabalhar juntos de maneira sustentável;
Redobrar os nossos esforços para reduzir as emissões, resultados das nossas próprias atividades institucionais e individuais.

Como representantes do grande número de pessoas de fé ao redor do globo, pressionamos o nosso Governo a usar a sua influência para conseguir um acordo juridicamente vinculante no encontro internacional sobre Mudanças Climáticas em Paris, e também na programação que segue. Através das nossas várias tradições, trazemos as nossas orações pelo sucesso dessas negociações.

Chamamos com humildade, com uma determinação fortalecida pela nossa fé e conscientes que precisamos de coragem, justiça e esperança.  Estamos enfrentando um desfio enorme. Mas temos esperança de que as mudanças necessárias acontecerão – pelo bem de todos que compartilham esse mundo hoje – e daqueles que irão compartilhá-lo amanhã.

Assinaturas da Declaração de Lambeth 2015 incluem:

O Reverendíssimo e Honorável Justin Welby, Arcebispo de Cantuária
Dom Dr Joe Aldred, Secretário Geral Interino, Relações Pentecostais e Multiraciais, Igrejas Juntas em Inglaterra.
Dom John Arnold pelo Cardeal Vincent Nichols, Arcebispo de Westminster
Dom Richard Chartres, Bispo de Londres
Dom Richard Cheetham, Bispo de Kingston
O Reverendíssimo David Chillingworth, Bispo Primaz da Igreja Episcopal da Escócia
O Reverendíssimo Richard Clarke, Arcebispo de Armagh
Gauri Das, ISKCON (Sociedade Internacional da Consciência de Krishna) Bhaktivedanta Manor
Sra. Gill Dascombe, Vice Presidente da Conferência Metodista
Dom John Davies, Igreja e Sociedade, para a Igreja em Gales.
Malcolm M Deboo, Presidente, Fundo Fiduciário Zoroaster da Europa
Rev. David Grosch-Miller, Moderador da Assembléia Gerald a Igreja Unida Reformada 
Rev Torbjorn Holt, Presidente, pelos Fudiciários do Conselho de Igrejas Luteranas
Dom Nicholas Holtam, Bispo de Salisbury e bispo líder para o Meio-Ambiente
Rev. Kenneth Howcroft, Presidente da Conferência Metodista
Rabino Laura Janner-Klausner, Rabbi Sénior para Reformar o Judaismo
Dom James Jones, Bispo anterior de Liverpool
Mr James Laing, pelos Fundiciários de Conselho das Igrejas Luteranas
Dom Martin Lind, Igreja Luterana de Grã Bretanha
Dom Dr Geevarghese Mar Theodosius, A Igreja de Mar Thoma Church, Nova Iorque
Mervyn McCullagh, Secretário Executivo, Conselho Irlandês de Igrejas
Rabino Chefe Ephraim Mirvis, Rabinoi Chefe das Congregações Hebraicas Unidas das Nações
Ibrahim Mogra, Presidente Xiita do Foro Cristão Muçulmano
O Reverendíssimo Dr Barry Morgan, Arcebispo de Gales
Rev John Proctor, Secretário Geral, Igreja Unida Reformada
Ven B Seelawimala, Chefe do Sangha Nayaka de Grã Bretanha
Reverendíssimo e Honorável Dr John Sentamu, Arcebispo de Iorque
Indarjit Singh, Diretor, Rede de Organizações Sikh
Bhai Sahib Mohinder Singh Ahluwalia, Presidente, Guru Nanak Nishkam Sewak
Dom Graham Usher, Bispo de Dudley
Rev Dr Donald Watts, Conselho Irlandês de Igrejas
Vivian Wineman, Co-Presidente da Rede Inter-Religiosa do Reino Unido

Rabino Jonathan Wittenberg Masorti

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …