Pular para o conteúdo principal

O uso do linguajar religioso como apropriação indébita na Política

Talvez esta seja a eleição brasileira onde haverá a maior mobilização dos grupos religiosos, de diversos matizes, em todo o recente período democrático brasileiro. Diante dos desafios sociais e econômicos que vive o país, bem como pelo clamor da sociedade brasileira por uma autêntica reforma política, é impressionante observar que o discurso político está permeado de expressões que parecem transformar o eleitorado brasileiro em uma audiência a ser sensibilizada por expressões religiosas. 

Senão vejamos: discursos que invocam o novo no lugar do velho, de uma nova ordem no lugar da velha ordem, da boa política contra a má política, da família contra uma moralidade liberal, entre outros apelos discursivos que nos fazem pensar no que certos interlocutores políticos estão realmente querendo dizer. 

Sem dúvida, temos hoje um quadro em que as chamadas forças conservadoras de raiz religiosa tem mostrado a sua cara. E isso é bom porque podemos identificar os nexos causais destes discursos com uma pretensão de controle do Estado para fins privados de grupos religiosos. Saber até onde temos um projeto político coerente e laico é de fundamental importância para se fazer escolhas. 

O Brasil tem hoje uma sociedade que avança cada vez mais na direção de uma consciência política robusta, especialmente porque a redução da pobreza e o acesso à educação e à informação tem ampliado os níveis críticos dos cidadãos brasileiros. Mas ainda existe um forte nicho de pessoas que se ocultam por trás de estratégias discursivas  que escamoteiam os seus reais interesses. Muitas vezes, explorar a fé religiosa das pessoas é o caminho mais eficaz de esconder reais propósitos de manutenção de privilégios e de dominação ideológica em uma sociedade. 

Se quisermos ser radicalmente religiosos na vivência da cidadania, não podemos aceitar que exista a boa política contra a má política. Existe sim a política e ela deve ser julgada não pela perfeição da pessoa e nem pela perfeição do projeto. A política não se mede na sua qualidade pela filiação religiosa de seus atores, nem pelos discursos eivados de palavreado superficial e infantil da religião. A política tem apenas um único critério que mede sua eficácia: o bem estar da sociedade e o atendimento aos seus direitos básicos. Numa sociedade plural, com múltiplos sujeitos e com uma diversidade de cosmovisões, não se pode pretender que uma religião abarque toda a sua complexidade.  

Por isso vejo com olhos críticos esses messianismos que afloram aqui e ali entre os candidatos e candidatas a cargos eletivos. Costuma-se dizer que a fronteira entre a fé e o pecado é o poder. Ele é o grande teste de quem se diz pronto a salvar um povo. Política se constrói e se efetiva com programas práticos. Um programa político tem que dizer expressamente aonde quer chegar, como será trabalhado, com quem se trabalhará e quanto custará esta chegada. Ah! não se esqueçam também que pra realizar é preciso dizer de onde vem o dinheiro. 

A fé ou discurso religioso não é garantia de que as coisas vão acontecer como se pretende. Política pode até ser construída sobre sonhos, é verdade, mas a realização deles exigirá gestos concretos sem os quais a profissão de fé será vazia. Portanto, abram os olhos porque fé de mais pode significar feitos de menos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …