Pular para o conteúdo principal

A matemática perversa da Copa: quem ganha e quem perde

Conforme prometi em meu artigo anterior, me dedico agora a refletir sobre o impacto socioambiental das obras para a Copa do Mundo. Segundo estatísticas de organismos não governamentais, cerca de 250 mil pessoas serão removidas das áreas e entornos das arenas esportivas para a Copa. 
Estas remoções se dão normalmente contra famílias de baixa renda, situadas em áreas conquistadas por assentamentos e que dispõem - sob o ângulo da lei - de todas as condições para legalização de suas posses. Por outro lado, governos municipais, estaduais e governo federal não tem oferecido nenhuma garantia de que estas remoções sejam acompanhadas pelo direito de reassentamento adequado à realidade dessas famílias. Ou seja, num linguajar direto, o que está havendo é despejo puro e simples para a implementação de projetos urbanísticos para os quais as lideranças populares diretamente afetadas não foram consultadas devidamente. 
Os projetos de reforma dos espaços são geralmente apresentados à mídia como benéficos para a chamada mobilidade urbana, mas sem considerar o impacto demográfico e social dos mesmos. E, mais cruel ainda, não preveem, à guisa de serem considerados de interesse público, recursos para a justa indenização dos afetados. 
Assistimos aos tristes episódios de despejo da comunidade Maracanã, feito à força e com a desculpa de ser uma exigência da FIFA, uma mentira que o governo do Estado do Rio de Janeiro sustentou para justificar a remoção dos indígenas. 
E as remoções continuam, mesmo contra a vontade dos moradores. Um evento que durará apenas um mês porá no chão décadas de luta por condições dignas de moradia de famílias que trabalham para sobreviver. Isso sem falar em educação, saúde e transporte.
Que país é esse? As pessoas honestas que vivem de um salário ganho com suor serão obrigadas a se desenraizar para dar passagem a projetos que favorecem apenas a uma pequena parcela de privilegiados. Sim, porque a Copa das Confederações já é um aperitivo do que virá. Aos trabalhadores brasileiros está negado acesso aos jogos pelo alto custo das entradas nos estádios que seus próprios braços construirão! 
E o pior de tudo é saber que somente a iniciativa privada vai ganhar dinheiro com tudo isso. Isso me lembra uma velha história de um colega meu que estava irritado com um corretor de seguro de vida. Depois de tantas tentativas de se livrar do tal corretor, ele resolveu encarar um diálogo. Como matemático que era, o meu colega fez apenas três perguntas ao corretor: meu amigo, o governo 
ganha com o que tu vende? Sim, respondeu o corretor. Você ganha com o que vende? Sim, respondeu o corretor com cara de quem não estava entendendo aonde a conversa ia chegar. A sua empresa ganha com o que você vende? Sim, claro que sim! respondeu o já quase irritado vendedor. Então meu amigo, em matemática se sabe que não há ganho sem perda! Portanto quem banca o ganho do governo, da sua empresa e o seu sou eu meu amigo! A conversa encerrou por ali! 
Nesta Copa tem sido assim: o povo perde e o governo perde - só que não se deu conta disso ainda! Ganham as empreiteiras, ganham os cartolas e a grande mídia alimentada pelos vultosos patrocínios! Educação? Saúde? Ah! isso fica pra depois da Copa! Basta fazer um bom discurso eleitoral para alimentar a esperança dos desenraizados!

Comentários

Querido amigo D Francisco. Tens razão na colocação feita mas o pior de tudo no meu ponto de vista é o governo ser refém das empreiteiras isto proporciona uma série de injustiças sociais e a dependência total do governo dos grandes bilionários brasileiros
Abçs.
Eliseo Sena

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…