Pular para o conteúdo principal

A matemática perversa da Copa: quem ganha e quem perde

Conforme prometi em meu artigo anterior, me dedico agora a refletir sobre o impacto socioambiental das obras para a Copa do Mundo. Segundo estatísticas de organismos não governamentais, cerca de 250 mil pessoas serão removidas das áreas e entornos das arenas esportivas para a Copa. 
Estas remoções se dão normalmente contra famílias de baixa renda, situadas em áreas conquistadas por assentamentos e que dispõem - sob o ângulo da lei - de todas as condições para legalização de suas posses. Por outro lado, governos municipais, estaduais e governo federal não tem oferecido nenhuma garantia de que estas remoções sejam acompanhadas pelo direito de reassentamento adequado à realidade dessas famílias. Ou seja, num linguajar direto, o que está havendo é despejo puro e simples para a implementação de projetos urbanísticos para os quais as lideranças populares diretamente afetadas não foram consultadas devidamente. 
Os projetos de reforma dos espaços são geralmente apresentados à mídia como benéficos para a chamada mobilidade urbana, mas sem considerar o impacto demográfico e social dos mesmos. E, mais cruel ainda, não preveem, à guisa de serem considerados de interesse público, recursos para a justa indenização dos afetados. 
Assistimos aos tristes episódios de despejo da comunidade Maracanã, feito à força e com a desculpa de ser uma exigência da FIFA, uma mentira que o governo do Estado do Rio de Janeiro sustentou para justificar a remoção dos indígenas. 
E as remoções continuam, mesmo contra a vontade dos moradores. Um evento que durará apenas um mês porá no chão décadas de luta por condições dignas de moradia de famílias que trabalham para sobreviver. Isso sem falar em educação, saúde e transporte.
Que país é esse? As pessoas honestas que vivem de um salário ganho com suor serão obrigadas a se desenraizar para dar passagem a projetos que favorecem apenas a uma pequena parcela de privilegiados. Sim, porque a Copa das Confederações já é um aperitivo do que virá. Aos trabalhadores brasileiros está negado acesso aos jogos pelo alto custo das entradas nos estádios que seus próprios braços construirão! 
E o pior de tudo é saber que somente a iniciativa privada vai ganhar dinheiro com tudo isso. Isso me lembra uma velha história de um colega meu que estava irritado com um corretor de seguro de vida. Depois de tantas tentativas de se livrar do tal corretor, ele resolveu encarar um diálogo. Como matemático que era, o meu colega fez apenas três perguntas ao corretor: meu amigo, o governo 
ganha com o que tu vende? Sim, respondeu o corretor. Você ganha com o que vende? Sim, respondeu o corretor com cara de quem não estava entendendo aonde a conversa ia chegar. A sua empresa ganha com o que você vende? Sim, claro que sim! respondeu o já quase irritado vendedor. Então meu amigo, em matemática se sabe que não há ganho sem perda! Portanto quem banca o ganho do governo, da sua empresa e o seu sou eu meu amigo! A conversa encerrou por ali! 
Nesta Copa tem sido assim: o povo perde e o governo perde - só que não se deu conta disso ainda! Ganham as empreiteiras, ganham os cartolas e a grande mídia alimentada pelos vultosos patrocínios! Educação? Saúde? Ah! isso fica pra depois da Copa! Basta fazer um bom discurso eleitoral para alimentar a esperança dos desenraizados!

Comentários

Querido amigo D Francisco. Tens razão na colocação feita mas o pior de tudo no meu ponto de vista é o governo ser refém das empreiteiras isto proporciona uma série de injustiças sociais e a dependência total do governo dos grandes bilionários brasileiros
Abçs.
Eliseo Sena

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …