Pular para o conteúdo principal

Pelo Controle do Comércio de Armas


Por estes dias, em Nova York, está acontecendo um importante evento sobre o qual a mídia não está pondo a menor atenção. Óbvio isso porque o assunto não interessa aos veículos. As mídias, em sua maioria dominada por patrocinadores preocupados apenas em vender seus produtos, preferem outras pautas.
Mas, voltando a Nova York, a ONU está realizando um Conferência para tratar do desarmamento. O objetivo é formalizar um acordo para tratar do controle do comércio de armas.
Quem não sabe, fica sabendo que a cada minuto no mundo uma pessoa morre vítima de arma de fogo. Acabamos de asssitir as terríveis cenas do massacre de Aurora, no seguimento de outros tantos – inclusive aqui no Brasil – que nos estarrece pela maneira como o acessso a armas é algo tão simples como ir ao supermercado comprar uma escova de dentes.
Em nosso país, gradativamente, se vai tomando consciência do problema e – férteis como somos em produzir leis – existe até um Estatuto do Desarmamento. Mesmo assim se assiste diariamente o cometimento de tentativas de homicídios e de homicídios por armas de fogo, muitas das quais são contrabandeadas. São estas armas que alimentam o crime organizado e que cruza as fronteiras do país com facilidade.
O objetivo da Conferência da ONU é, portanto, criar um Tratado Internacional que permita – para o exercício da legítima defesa dos países contra agressões e o terrorismo – um controle efetivo do comércio, punindo efetivamente o contrabando de armas. O que me chama a atenção , no entanto, é a falta de vontade política dos governos – e nesse sentido até o próprio governo brasileiro – de construir um mecanismo interncaional de controle que tem como consequência direta a segurança dos cidadãos e cidadãs. Isso sem falar na redução de gastos do sistema público de saúde para o tratamento do número elevado de pessoas que são vitimas de armas de fogo.
As Igrejas, através do Conselho Mundial de Igrejas, tem cobrado dos governos uma postura mais proativa sobre o tema. Em nível internacional temos uma articulação chamada de Campanha Ecumênica para um Tratado de Comércio de Armas Forte e Eficaz (TCA). Compõem esta rede cerca de 70 igrejas, entidades afins e redes de fé em 35 países. A campanha é coordenada pelo Conselho Mundial de Igrejas, uma associação de 349 igrejas representando mais de 580 milhões de cristãos em mais de 140 países, e trabalha cooperativamente com a Igreja Católica Romana.
O SERPAZ e a IECLB (Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil) fazem parte de uma iniciativa de controle de comércio de armas por parte de igrejas e organizações afins, em 35 países, a Campanha Ecumênica por um Tratado de Comércio de Armas Forte e Eficaz. O CONIC – Conselho Nacional de Igrejas Cristãs apoia esta iniciativa e toda pessoa de bom senso e comprometida com uma cultura de paz pode se somar a este esforço.
Quem desejar mais informação sobre o assunto, contacte: Marie Ann Wangen Krahn – mariekrahn@gmail.com, 51-3592-6106/ cel. 51-8417-3047

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…