Pular para o conteúdo principal

Pior que a corrupção é a falta de vontade da sociedade para evitá-la

Assisti ontem um rico debate entre juristas no programa Conversas Cruzadas da TV Com. Foi interessante observar as sinuosas fronteiras entre o jurídico e o político na questão que envolve a CPMI de Carlinhos Cachoeira.  A tese que estava em discussão foi a decisão do ministro Celso de Mello conferindo ao Cachoeira a faculdade de não depor antes de conhecer os conteúdos das acusações contra si que constam do inquérito da PF.
Embora considere técnicamente correta a decisão do ministro, percebi que muitas vezes a técnica processual está completamente desligada da realidade política e isso gera um conflito entre o que poderiamos chamar de processo político e processo jurídico. Não há dúvida de que o alcance desta CPMI pode ser da maior envergadura para a sociedade brasileira . Pela natureza das conexões entre Cachoeira e uma ramificação que envolve praticamente funcionários e políticos na esfera dos três poderes da República. E vai além, expondo perigosas e preocupantes relações entre a contravenção e a imprensa assim como com o setor empresarial. Esta radiografia de como a corrupção constrói seus tentáculos é uma oportunidade para entender este fenômeno que está a séculos instalado no DNA de nosso Estado, desde Pero Vaz de Caminha.
Ou seja, esta seria uma ocasião impar para a sociedade brasileira conhecer, identificar e encontrar de vez caminhos que regulem de maneira mais racional as relações entre o que é público e o que é privado. Entre a legalidade e a ética da administração pública e o crime.
No entanto, há um dado que me preocupa tristemente: a pesquisa de opinião feita durante o programa apontou que 93% das pessoas que responderam a pesquisa não acreditam que a CPMI vá dar resultados concretos para o que foi convocada.
Lamentável ver que a sociedade brasileira não acredita nos próprios instrumentos de investigação e de combate à corrupção desenfreada que se ramifica de forma cancerígena na estrutura do Estado brasileiro. É claro que isso se deve à qualidade de muitos dos nossos políticos. Mas me preocupa o fato de que a sociedade está, por assim dizer, desacreditando na possibilidade de mudança efetiva.
Isso é pior do que a corrupção em si mesma. Ou a sociedade brasileira se revolta contra a cultura do "deixar estar que não vai resolver nada" ou o futuro de nosso país estará inequivocamente destinado a ser desastroso. Um futuro onde os membros de nossas instituições republicanas viverão um "faz-de-conta" vergonhoso e a sociedade estará entregue à uma lei de sobrevivência altamente desigual e onde sobreviverão apenas os espertos!
É hora de nosso povo reagir contra este estado de coisas. É preciso acreditar em mudança! E mais que isso: é preciso contribuir efetivamente para que ela aconteça!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…