Pular para o conteúdo principal

Mensagem de Quaresma

Queridos irmãos e queridas irmãs

E ali esteve no deserto quarenta dias, tentado por Satanás. E vivia entre as feras, e os anjos o serviam.
Marcos 1:13

Semana que vem estaremos iniciando nossa jornada litúrgica como Igreja pela quadra da Quaresma. Este é um tempo especial para todos nós, povo e clero, na compreensão daquilo que Deus tem revelado a nós através de seu filho Jesus Cristo. O texto de Marcos 1:9-13 termina com a descrição da experiência de deserto de Jesus. A Igreja precisa viver com mais autenticidade o seu próprio deserto. Mas o que é viver o deserto? Alguns acham que deserto representa apenas coisas negativas: aridez, perigos, isolamento. Não costumamos gostar de desertos. Tive uma experiência há 13 anos atrás, durante o Curso Palestina de Jesus, em Israel, na qual fomos conduzidos pelo nosso professsor a uma experiência de oração no deserto. Fomos pela manhã cedo, antes do sol sair e ali ficamos até os raios de sol ficarem fortes o suficiente para olharmos aquela paisagem e orarmos um pouco. Foi algo inesquecível para mim. Ali estava eu sozinho (embora com a sensação de segurança pelos outros que estavam também nesta experiência) um imenso deserto e um céu por cobertura numa conjugação física singular. Orei a Deus e pude sentir como nós somos relaxados em nossa vida devocional como Igreja.
O deserto nos chama para a reflexão. O deserto nos impele para dentro de nós mesmos. E é neste mergulho que podemos encontrar o que de mais extraordinário existe: Deus mesmo como fundamento mais básico do nosso existir. No nosso interior mais profundo é que se travam as batalhas mais ferrenhas – vejam as tentações de Jesus. Ele as venceu, pois ouviu a voz mais profunda de Deus mesmo em seu ser. Ele rejeitou viver a glória passageira da excentricidade. Ele rejeitou o imediatismo da materialidade. Ele rejeitou a submissão fácil.
A Igreja em nosso dias tem sido tentada a ser submissa aos poderes que escravizam a humanidade. Igualmente tem sido tentada a se submeter ao imediatismo materialista de um sistema que seduz as pessoas a só consumir. Igualmente tem sido tentada a ser um palco para excentricidades cativando audiências, mas sem comprometimento pessoal com Jesus Cristo.
Se sucumbirmos a estas tentações estaremos inclinados a não sermos relevantes para o mundo. Aliás, não faltam vozes a proclamar que a Igreja vai acabar.
Precisamos imitar o Cristo. Não podemos esmorecer. Vamos aproveitar esta Quaresma para orarmos mais. Para refletirmos mais sobre a missão que Deus nos confiou. Vamos deixar que no mais profundo do nosso ser a voz de Deus seja ouvida com clareza e nos faça resistir às tentações. Façamos do deserto uma oportunidade de encontro profundo com Aquele que é o fundamento do nosso ser. Que o deserto nos renove e nos faça caminhar com Jesus proclamando as Boas Novas, ainda que em conflito com os poderes deste mundo. E que nossa proclamação seja inteira: coração, mente, pés e mãos. Vamos fazer com que as pessoas renovem a sua confiança em Deus e possam viver a modernidade com justiça, respeito e cuidado com o mundo e com seus semelhantes. Lembremos que a Igreja (assim como as pessoas) que vive para si mesma faz como o servo que enterrou seu talento.
Uma abençoada Quaresma a todo(a)s!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …