Pular para o conteúdo principal

Mensagem de Quaresma

Queridos irmãos e queridas irmãs

E ali esteve no deserto quarenta dias, tentado por Satanás. E vivia entre as feras, e os anjos o serviam.
Marcos 1:13

Semana que vem estaremos iniciando nossa jornada litúrgica como Igreja pela quadra da Quaresma. Este é um tempo especial para todos nós, povo e clero, na compreensão daquilo que Deus tem revelado a nós através de seu filho Jesus Cristo. O texto de Marcos 1:9-13 termina com a descrição da experiência de deserto de Jesus. A Igreja precisa viver com mais autenticidade o seu próprio deserto. Mas o que é viver o deserto? Alguns acham que deserto representa apenas coisas negativas: aridez, perigos, isolamento. Não costumamos gostar de desertos. Tive uma experiência há 13 anos atrás, durante o Curso Palestina de Jesus, em Israel, na qual fomos conduzidos pelo nosso professsor a uma experiência de oração no deserto. Fomos pela manhã cedo, antes do sol sair e ali ficamos até os raios de sol ficarem fortes o suficiente para olharmos aquela paisagem e orarmos um pouco. Foi algo inesquecível para mim. Ali estava eu sozinho (embora com a sensação de segurança pelos outros que estavam também nesta experiência) um imenso deserto e um céu por cobertura numa conjugação física singular. Orei a Deus e pude sentir como nós somos relaxados em nossa vida devocional como Igreja.
O deserto nos chama para a reflexão. O deserto nos impele para dentro de nós mesmos. E é neste mergulho que podemos encontrar o que de mais extraordinário existe: Deus mesmo como fundamento mais básico do nosso existir. No nosso interior mais profundo é que se travam as batalhas mais ferrenhas – vejam as tentações de Jesus. Ele as venceu, pois ouviu a voz mais profunda de Deus mesmo em seu ser. Ele rejeitou viver a glória passageira da excentricidade. Ele rejeitou o imediatismo da materialidade. Ele rejeitou a submissão fácil.
A Igreja em nosso dias tem sido tentada a ser submissa aos poderes que escravizam a humanidade. Igualmente tem sido tentada a se submeter ao imediatismo materialista de um sistema que seduz as pessoas a só consumir. Igualmente tem sido tentada a ser um palco para excentricidades cativando audiências, mas sem comprometimento pessoal com Jesus Cristo.
Se sucumbirmos a estas tentações estaremos inclinados a não sermos relevantes para o mundo. Aliás, não faltam vozes a proclamar que a Igreja vai acabar.
Precisamos imitar o Cristo. Não podemos esmorecer. Vamos aproveitar esta Quaresma para orarmos mais. Para refletirmos mais sobre a missão que Deus nos confiou. Vamos deixar que no mais profundo do nosso ser a voz de Deus seja ouvida com clareza e nos faça resistir às tentações. Façamos do deserto uma oportunidade de encontro profundo com Aquele que é o fundamento do nosso ser. Que o deserto nos renove e nos faça caminhar com Jesus proclamando as Boas Novas, ainda que em conflito com os poderes deste mundo. E que nossa proclamação seja inteira: coração, mente, pés e mãos. Vamos fazer com que as pessoas renovem a sua confiança em Deus e possam viver a modernidade com justiça, respeito e cuidado com o mundo e com seus semelhantes. Lembremos que a Igreja (assim como as pessoas) que vive para si mesma faz como o servo que enterrou seu talento.
Uma abençoada Quaresma a todo(a)s!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…