Pular para o conteúdo principal

Bispos: uma experiência em Canterbury


"O papel primordial de um bispo é fazer com que as pessoas confiem em Deus" (Arcebispo Rowan Williams)


A frase acima, dita em uma reunião privada entre o Arcebispo Rowan Williams e os 27 bispos que fizeram o curso para novos bispos, deu o tom do que foi uma experiência memorável para mim.
O curso para novos bispos é oferecido anualmente pelo Instituto da Catedral de Cantuária e tem por finalidade capacitar bispos no início de seus ministérios.
Uma experiência inesquecível que nos proporciona viver a espiritualidade anglicana nas raízes de nossa Igreja. Uma intensa vida devocional, com Eucaristia diária e a participação nos ofícios matutinos e vespertinos da Catedral. Além disso, os encontros propiciam ferramentas importantes para aquelas pessoas que foram chamadas a exercer o ministério do episcopado, com todas as suas responsabilidades e desafios. De cânones comparados à liturgia, de vida pessoal e familiar à relação com suas Catedrais e de vida pública à relação com seu clero, vamos estudando e ouvindo a experiência de outras pessoas, construindo assim uma base para que possamos atender com humildade este especial chamado para sermos sinais de unidade em nossas dioceses.
Visita aos escritórios da Comunhão Anglicana e ao Palácio de Lambeth nos dão a visão da riqueza e diversidade de nossa Igreja. A convivência com colegas de distintas culturas e jeitos nos enriquece a cada momento, criando laços de afeto, respeito e reverência de uns para com os outros. É uma relação que cultiva o sentimento de interdependência e de colegialidade que transcende nossas fronteiras diocesanas e provinciais e cria um verdadeiro sentimento de corpo.
Para mim, e tenho sempre dito que um bispo não se forja apenas na sua eleição e sagração - pelo contrário, continua aprendendo cada dia a ser um bispo de Deus para o povo de Deus - a experiência do curso me mostrou que o poder de um bispo é tanto maior na medida em que leva o seu povo e a sociedade que o cerca a confiar em Deus, como bem disse o Arcebispo. É Deus que deve estar no centro de nossa vida e ministério. Qualquer tentativa de ocuparmos o lugar de Deus - ou nos tornarmos seu exclusivo representante - levará nosso ministério ao fracasso.
Uma das coisas que me impressionou foi a acolhida da Catedral. O Deão Robert Willis e o Coordenador do curso, Rev. Cônego Edward Condry, foram de uma atenção primorosa para todos nós. Mesmo em meio à beleza e solenidade da vida e da liturgia da Catedral, revelaram uma simplicidade e uma capacidade de servir, tornando ainda mais autêntica a capacitação de nós bispos de sermos pessoas servas ao invés de pessoas servidas.
Isso me faz refletir sobre o papel de nossas igrejas locais como comunidades de acolhimento - e precisamos aperfeiçoar isso em nossa própria Província e dioceses.
As pessoas que se aproximam de nossas igrejas locais precisam realmente aumentarem a sua confiança em Deus, especialmente em uma cultura de individualismo, glamour falso e competição.
Que possamos bispo, clero e povo em nossa diocese servir mais, acolher mais e deixar que Deus manifeste com mais vigor o seu amor por todas as pessoas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…