Pular para o conteúdo principal

Bispos: uma experiência em Canterbury


"O papel primordial de um bispo é fazer com que as pessoas confiem em Deus" (Arcebispo Rowan Williams)


A frase acima, dita em uma reunião privada entre o Arcebispo Rowan Williams e os 27 bispos que fizeram o curso para novos bispos, deu o tom do que foi uma experiência memorável para mim.
O curso para novos bispos é oferecido anualmente pelo Instituto da Catedral de Cantuária e tem por finalidade capacitar bispos no início de seus ministérios.
Uma experiência inesquecível que nos proporciona viver a espiritualidade anglicana nas raízes de nossa Igreja. Uma intensa vida devocional, com Eucaristia diária e a participação nos ofícios matutinos e vespertinos da Catedral. Além disso, os encontros propiciam ferramentas importantes para aquelas pessoas que foram chamadas a exercer o ministério do episcopado, com todas as suas responsabilidades e desafios. De cânones comparados à liturgia, de vida pessoal e familiar à relação com suas Catedrais e de vida pública à relação com seu clero, vamos estudando e ouvindo a experiência de outras pessoas, construindo assim uma base para que possamos atender com humildade este especial chamado para sermos sinais de unidade em nossas dioceses.
Visita aos escritórios da Comunhão Anglicana e ao Palácio de Lambeth nos dão a visão da riqueza e diversidade de nossa Igreja. A convivência com colegas de distintas culturas e jeitos nos enriquece a cada momento, criando laços de afeto, respeito e reverência de uns para com os outros. É uma relação que cultiva o sentimento de interdependência e de colegialidade que transcende nossas fronteiras diocesanas e provinciais e cria um verdadeiro sentimento de corpo.
Para mim, e tenho sempre dito que um bispo não se forja apenas na sua eleição e sagração - pelo contrário, continua aprendendo cada dia a ser um bispo de Deus para o povo de Deus - a experiência do curso me mostrou que o poder de um bispo é tanto maior na medida em que leva o seu povo e a sociedade que o cerca a confiar em Deus, como bem disse o Arcebispo. É Deus que deve estar no centro de nossa vida e ministério. Qualquer tentativa de ocuparmos o lugar de Deus - ou nos tornarmos seu exclusivo representante - levará nosso ministério ao fracasso.
Uma das coisas que me impressionou foi a acolhida da Catedral. O Deão Robert Willis e o Coordenador do curso, Rev. Cônego Edward Condry, foram de uma atenção primorosa para todos nós. Mesmo em meio à beleza e solenidade da vida e da liturgia da Catedral, revelaram uma simplicidade e uma capacidade de servir, tornando ainda mais autêntica a capacitação de nós bispos de sermos pessoas servas ao invés de pessoas servidas.
Isso me faz refletir sobre o papel de nossas igrejas locais como comunidades de acolhimento - e precisamos aperfeiçoar isso em nossa própria Província e dioceses.
As pessoas que se aproximam de nossas igrejas locais precisam realmente aumentarem a sua confiança em Deus, especialmente em uma cultura de individualismo, glamour falso e competição.
Que possamos bispo, clero e povo em nossa diocese servir mais, acolher mais e deixar que Deus manifeste com mais vigor o seu amor por todas as pessoas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…