Pular para o conteúdo principal

80 anos de voto feminino. E a dignidade? Como anda?

Hoje se comemora 80 anos da emancipação política das mulheres brasileiras através do acesso ao voto. Foi uma luta ferrenha contra o preconceito e que custou tanto às muitas corajosas mulheres que, na década de 30 ousaram enfrentar a cultura de predominância machista, lideradas por uma nordestina chamada Celina Guimarães Viana que pediu autorização judicial para votar e assim foi autorizada com base na Constituição Federal. Daí se espalhou um movimento que culminou com a inclusão do direito de voto às mulheres em 1932.
O Brasil acaba de viver a experiência de ter uma mulher como sua Presidenta (com o perdão aqui aos linguistas...). Dilma representou um importante passo na superação das discriminações contra a mulher e é, sem sombra de dúvidas, uma grande conquista para a sociedade brasileira.
Mas a minha pergunta é: até quando o que as mulheres tem conseguido no plano legal será efetivo em todas as esferas da vida social? Fico estarrecido com as estatísticas de violência contra as mulheres em nosso país. Mesmo com o advento da Lei Maria da Penha - outra conquista de veio legal - continuamos a assistir uma escalada assustadora de assassinatos de mulheres. Nesta semana, só na Paraíba - a título de exemplo - tivemos 4 assassinatos violentos de mulheres com requintes de perversidade. Não posso ficar calado diante de fatos que revelam uma doença social que precisa ser enfrentada com rigor pelo Poder Público. Nenhuma pessoa de bom senso pode se acomodar diante dessa barbárie que parece fazer parte de um cotidiano macabro de uma sociedade que se diz emergente dentro do cenário internacional.
Se por um lado celebramos o advento da igualdade política das mulheres na história do Brasil, por outro, deveríamos sentir vergonha de ainda sermos um país que parece encarar a violência contra as mulheres como ingrediente normal de nosso cotidiano.
Eu sonho com um país que se orgulhe de dizer que seus cidadãos e cidadãs tem a garantia de seus direitos mais fundamentais. Eu sonho com um país em que nossas mulheres não precisem mendigar a igualdade dos direitos, não em termos de lei positiva, mas em eficácia.
A Igreja tem uma responsabilidade enorme na formação de seus fiéis e deve assumir publicamente a defesa de uma sociedade em que os direitos não venham ser mediados desigualmente por questões de gênero. Enquanto neste país ainda se matar mulheres violentamente e se permanecer impune por ineficiência do poder público, não me sentirei parte de uma sociedade emergente. Uma sociedade economicamente bem sucedida será vergonhosamente pobre quando suas mulheres não forem respeitadas no Direito e na Vida!

Comentários

™Deka disse…
D. Francisco, o sentimento que tenho como mulher e eleitora é que temos tantas possibilidades e ferramentas para mudanças e afirmação de direitos, que são muito importantes, mas não conseguimos mudar a mentalidade, consciência e as atitudes das pessoas. Uma pena que os anos passem, as mudanças possam ocorrer e não temos pessoas suficientes para implementar essas mudanças e mudar o modelo de sociedade que temos.

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…