Confeclero: partilha e senso de família diocesana

Estimado Clero e lideranças leigas da DSO

Graça e Paz!

Vivemos uma rica Confeclero nos dias 04 e 05 passados. Ali, mesmo sem a presença de todos os colegas do clero - alguns por razões justificáveis - pudemos nos reunir, celebrar, cantar e conviver juntos. Alguns de nós levou consigo a família e vivemos e gastamos tempo interagindo como membros de uma família diocesana. Como bispo, me senti livre para expressar sentimentos e sonhos sobre o futuro de uma diocese que está sob meu cuidado pastoral por nove meses e pouco. Me senti acolhido e considerado respeitosamente por todos. Tivemos reuniões paralelas do Secretariado Diocesano para tratar de assuntos administrativos e o fizemos com absoluta transparência de dados, de propostas que, ao fim, foram aprovadas por consenso. Tivemos reunião do Conselho Diocesano, para também aprovar a política salarial da diocese e o orçamento para o corrente ano, acolhendo assim, de forma unânime a recomendação do Secretariado. Cada Secretário(a) e cada conselheiro se expressou com absoluta liberdade e a busca de consenso foi a tônica que prevaleceu, ensinando-nos que os projetos e açoes administrativas e pastorais da nossa querida diocese estão sendo construidos dentro dos princípios anglicanos onde bispo, clero e povo buscam o bem comum.

Na reunião do clero pude perceber o clima de liberdade e de respeito de uns para com os outros, onde a transparência foi apoiada pelo respeito e consideração.

Me sinto feliz com o resultado e afirmo a necessidade de continuarmos nesse caminho de partilha que nos levará a enfrentar os desafios pastorais, administrativos e de missão com muito mais força coletiva e unidade de propósitos.

Pretendo elaborar dois subsídios para ajudar nossas lideranças no trabalho de motivação do povo para o cumprimento de nossos sonhos como diocese conforme estabelecemos em nosso Plano Pastoral Diocesano:

"Ser uma Igreja ousada na promoção da vida, na proclamação do Evangelho, na formação de lideranças, na expansão, e motivadora do ecumenismo: servindo a Deus num compromisso ativo, incluindo as pessoas numa comunhão fraterna de alegria, testemunho, entreajuda, estando alerta e preparada para os avanços da sociedade."

Lembremos que o sucesso de nossa empreitada não depende apenas da vontade do Bispo, mas da conjugação das vontades de todas as instâncias diocesanas. Solidariedade e cumplicidade são requisitos essenciais para alcançarmos as ousadas metas que nos propomos - enquanto Concílio - para o nosso futuro. O quadro diocesano começa a dar os sinais de que nossa diocese não é pobre nem carente de recursos - conforme nosso querido irmão e membro do grupo gestor Leodoro tem enfatizado - mas uma diocese que tem um alto nível de viabilidade. Precisamos apenas nos focar para usar com racionalidade e muito amor a Deus os nossos recursos e em pouco tempo poderemos ter os recursos humanos e financeiros para implementar missão e serviço (irmãs siamesas do ser da Igreja).

Agradeço a todos os que atenderam a convocação para o Enclero e vamos fazer desse evento um momento de renovação e conversa (um autêntico indaba) e nos sentiremos como uma autêntica família diocesana!

Que o Deus da Paz envolva nossos corações e mentes e nos torne sempre humildes na busca de discernir qual é a sua vontade para a nossa diocese!

Com carinho e benção,

+Francisco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Visita do Papa ao CMI: gesto de comunhão e cumplicidade para testemunhar unidade

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia