Pular para o conteúdo principal

Confeclero: partilha e senso de família diocesana

Estimado Clero e lideranças leigas da DSO

Graça e Paz!

Vivemos uma rica Confeclero nos dias 04 e 05 passados. Ali, mesmo sem a presença de todos os colegas do clero - alguns por razões justificáveis - pudemos nos reunir, celebrar, cantar e conviver juntos. Alguns de nós levou consigo a família e vivemos e gastamos tempo interagindo como membros de uma família diocesana. Como bispo, me senti livre para expressar sentimentos e sonhos sobre o futuro de uma diocese que está sob meu cuidado pastoral por nove meses e pouco. Me senti acolhido e considerado respeitosamente por todos. Tivemos reuniões paralelas do Secretariado Diocesano para tratar de assuntos administrativos e o fizemos com absoluta transparência de dados, de propostas que, ao fim, foram aprovadas por consenso. Tivemos reunião do Conselho Diocesano, para também aprovar a política salarial da diocese e o orçamento para o corrente ano, acolhendo assim, de forma unânime a recomendação do Secretariado. Cada Secretário(a) e cada conselheiro se expressou com absoluta liberdade e a busca de consenso foi a tônica que prevaleceu, ensinando-nos que os projetos e açoes administrativas e pastorais da nossa querida diocese estão sendo construidos dentro dos princípios anglicanos onde bispo, clero e povo buscam o bem comum.

Na reunião do clero pude perceber o clima de liberdade e de respeito de uns para com os outros, onde a transparência foi apoiada pelo respeito e consideração.

Me sinto feliz com o resultado e afirmo a necessidade de continuarmos nesse caminho de partilha que nos levará a enfrentar os desafios pastorais, administrativos e de missão com muito mais força coletiva e unidade de propósitos.

Pretendo elaborar dois subsídios para ajudar nossas lideranças no trabalho de motivação do povo para o cumprimento de nossos sonhos como diocese conforme estabelecemos em nosso Plano Pastoral Diocesano:

"Ser uma Igreja ousada na promoção da vida, na proclamação do Evangelho, na formação de lideranças, na expansão, e motivadora do ecumenismo: servindo a Deus num compromisso ativo, incluindo as pessoas numa comunhão fraterna de alegria, testemunho, entreajuda, estando alerta e preparada para os avanços da sociedade."

Lembremos que o sucesso de nossa empreitada não depende apenas da vontade do Bispo, mas da conjugação das vontades de todas as instâncias diocesanas. Solidariedade e cumplicidade são requisitos essenciais para alcançarmos as ousadas metas que nos propomos - enquanto Concílio - para o nosso futuro. O quadro diocesano começa a dar os sinais de que nossa diocese não é pobre nem carente de recursos - conforme nosso querido irmão e membro do grupo gestor Leodoro tem enfatizado - mas uma diocese que tem um alto nível de viabilidade. Precisamos apenas nos focar para usar com racionalidade e muito amor a Deus os nossos recursos e em pouco tempo poderemos ter os recursos humanos e financeiros para implementar missão e serviço (irmãs siamesas do ser da Igreja).

Agradeço a todos os que atenderam a convocação para o Enclero e vamos fazer desse evento um momento de renovação e conversa (um autêntico indaba) e nos sentiremos como uma autêntica família diocesana!

Que o Deus da Paz envolva nossos corações e mentes e nos torne sempre humildes na busca de discernir qual é a sua vontade para a nossa diocese!

Com carinho e benção,

+Francisco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…