Pular para o conteúdo principal

Confeclero: partilha e senso de família diocesana

Estimado Clero e lideranças leigas da DSO

Graça e Paz!

Vivemos uma rica Confeclero nos dias 04 e 05 passados. Ali, mesmo sem a presença de todos os colegas do clero - alguns por razões justificáveis - pudemos nos reunir, celebrar, cantar e conviver juntos. Alguns de nós levou consigo a família e vivemos e gastamos tempo interagindo como membros de uma família diocesana. Como bispo, me senti livre para expressar sentimentos e sonhos sobre o futuro de uma diocese que está sob meu cuidado pastoral por nove meses e pouco. Me senti acolhido e considerado respeitosamente por todos. Tivemos reuniões paralelas do Secretariado Diocesano para tratar de assuntos administrativos e o fizemos com absoluta transparência de dados, de propostas que, ao fim, foram aprovadas por consenso. Tivemos reunião do Conselho Diocesano, para também aprovar a política salarial da diocese e o orçamento para o corrente ano, acolhendo assim, de forma unânime a recomendação do Secretariado. Cada Secretário(a) e cada conselheiro se expressou com absoluta liberdade e a busca de consenso foi a tônica que prevaleceu, ensinando-nos que os projetos e açoes administrativas e pastorais da nossa querida diocese estão sendo construidos dentro dos princípios anglicanos onde bispo, clero e povo buscam o bem comum.

Na reunião do clero pude perceber o clima de liberdade e de respeito de uns para com os outros, onde a transparência foi apoiada pelo respeito e consideração.

Me sinto feliz com o resultado e afirmo a necessidade de continuarmos nesse caminho de partilha que nos levará a enfrentar os desafios pastorais, administrativos e de missão com muito mais força coletiva e unidade de propósitos.

Pretendo elaborar dois subsídios para ajudar nossas lideranças no trabalho de motivação do povo para o cumprimento de nossos sonhos como diocese conforme estabelecemos em nosso Plano Pastoral Diocesano:

"Ser uma Igreja ousada na promoção da vida, na proclamação do Evangelho, na formação de lideranças, na expansão, e motivadora do ecumenismo: servindo a Deus num compromisso ativo, incluindo as pessoas numa comunhão fraterna de alegria, testemunho, entreajuda, estando alerta e preparada para os avanços da sociedade."

Lembremos que o sucesso de nossa empreitada não depende apenas da vontade do Bispo, mas da conjugação das vontades de todas as instâncias diocesanas. Solidariedade e cumplicidade são requisitos essenciais para alcançarmos as ousadas metas que nos propomos - enquanto Concílio - para o nosso futuro. O quadro diocesano começa a dar os sinais de que nossa diocese não é pobre nem carente de recursos - conforme nosso querido irmão e membro do grupo gestor Leodoro tem enfatizado - mas uma diocese que tem um alto nível de viabilidade. Precisamos apenas nos focar para usar com racionalidade e muito amor a Deus os nossos recursos e em pouco tempo poderemos ter os recursos humanos e financeiros para implementar missão e serviço (irmãs siamesas do ser da Igreja).

Agradeço a todos os que atenderam a convocação para o Enclero e vamos fazer desse evento um momento de renovação e conversa (um autêntico indaba) e nos sentiremos como uma autêntica família diocesana!

Que o Deus da Paz envolva nossos corações e mentes e nos torne sempre humildes na busca de discernir qual é a sua vontade para a nossa diocese!

Com carinho e benção,

+Francisco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…