Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2011

Meio Ambiente: quebra de braço entre lucro imediato e um futuro sustentável

A senadora Katia Abreu (DEM-TO) declarou hoje perante Comissões que analisam o novo Código Florestal que os ambientalistas tomaram conta dos órgãos que regulam a política de meio ambiente no Brasil. Para além de uma frase que pareceria redundante, a senadora confessa seus mais íntimos desejos de que os órgãos de regulação do meio ambiente deveriam estar em outras mãos: de preferência dos ruralistas, é claro.
Neste longo debate entre ruralistas e ambientalistas, deveria ficar claro alguns parâmetros, a meu ver. O país muito deve aos que tornaram a agricultura brasileira uma das mais competitivas do mundo. A própria senadora é presidente da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil e tem se destacado por defender com unhas e dentes - às vezes muito bem com os dentes - os interesses desse segmento. O problema reside em como ela defende estes interesses em detrimento de interesses maiores da sociedade brasileira.
Na discussão sobre o Código Florestal, a senadora tem esposado opini…

Pais: construam um mundo que acredita no amor!

Nestes tempos de mudança de padrões de comportamento, me dirijo aos pais espalhados por este mundo afora. Normalmente se aplicava aos pais a tarefa de serem os mantenedores da familia e uma espécie de "última instância" no cumprimento de um papel quase sempre ligado à disciplina. As novas gerações de pais, especialmente após o advento da emancipação feminina, tem abandonado este padrão e cada vez mais experimentado a alegria de estarem mais próximos de seus filhos.
Neste processo de transformação, muitos tem tido a alegria de assumirem o cuidado dos filhos e se permitido a alegria da intimidade, da ternura e do se redescobrirem no afeto.
Mas mesmos aquele que já não estão mais conosco e que fizeram parte das gerações dos durões, sempre encontravam uma oportunidade de trocar um afeto - às vezes tímido - com seus filhos libertando-os do medo e fazendo eles descobrirem que para além da máscara de seriedade havia um grande coração. Sou imensamente agradecido a Deus pelo meu dur…

Política e Polícia: uma equação a se resolver

Inglaterra, 2011. Ruas ocupadas por uma massa dominada pelo ódio desafiando a polícia, depredando bens, casas e destruindo tudo o que vê pela frente.Isso podia muito bem ser uma cena de filme de ficção sobre algum vírus alienígena dominando as pessoas, como uma ação arquitetada por alienígenas de inteligência superior, desejosos de dominar a Terra. Infelizmente a ficção não é mais ficção: é a pura realidade! Parece uma repetição dos distúrbios de rua que sacudiram Paris há um tempo atrás ou então a Atenas de até agora há pouco, com uma multidão na rua desafiando a ordem. Para além da constatação dos fatos, tenho visto diferentes percepções do fenômeno que me chamam a atenção. A quase totalidade deles justifica a explosão de violência como uma ação arquitetada por grupos criminosos que se aproveitaram de um fato isolado e até certo ponto rotineiro no dia a dia da capital inglesa: a abordagem policial infeliz a um imigrante.
O governo, pego de surpresa, buscou agir dentro da estratégia d…

A coisa não é tão glamorosa assim.....

Li um artigo no conceituado Financial Times no qual se lia que o Brasil está de forma privilegiada assistindo à crise econômica que afeta o mundo. Em outras palavras, a economia brasileira vive uma tranquila situação, comparada com o frenesi que vivem economias como as dos EUA, Grécia, Itália e Espanha. Para mim, no entanto, essa aparente euforia merece alguns cuidados. Sem dúvida, as políticas de estabilização econômica e inclusão social vividas nos governos FHC e Lula elevaram o Brasil a uma situação privilegiada. No entanto, essa euforia pode carregar consigo o germe de um colapso que pode se revelar incontrolável. O crescimento do consumo, se por um lado aumenta a qualidade de vida de milhões de pessoas, pode se tornar um perigoso vírus se não for controlado rigorosamente por fundamentos econômicos que resistam a um desmedido consumo e/ou uso do crédito. A prova disso começa a ser vivida com um esgotamento da produção industrial que pode ser estrangulada pela falta de uma infra-e…