Pular para o conteúdo principal

Um jogo sem graça: o que é afinal segurança pública?

Na operação policial que culminou com a prisão do traficante Nem, chamou a minha atenção uma frase de um policial gritando aos microfones da TV: E aí jogador! Perdeu!! Eu até fiquei esperando aparecer na tela a famosa frase de quem joga vídeo games em computador: você venceu!
Nada mais natural numa operação dessa ordem se ouvir palavras de ordens dos policiais caracterizando uma catarse pelo sucesso de sua ação.
No entanto, e para a nossa reflexão, caberia uma análise do conteúdo da expressão. A Segurança Pública não pode ser um jogo, onde se possa ter ganhadores de um lado e perdedores do outro.
E aqui levanto algumas questões que julgo relevantes na discussão:
A Segurança Pública é para garantir a manutenção de um jogo midiático entre bandidos e sociedade? Cada lado exibindo sua força que captura a atenção do público? Caracteriza-se ela por ações dignas de seriados policiais criados para divertir o público e levá-lo à sensação de que o bem sempre triunfa sobre o mal?
Certamente que as respostas para as perguntas acima - se refletidas à luz de um projeto de sociedade democrática e civilizada - são negativas. Ninguém ganha neste pseudo-jogo. Segurança Pública não pode se restringir somente à ação repressiva do aparelho de Estado contra o crime. Ela tem que ser um conjunto maior de ações integradas que sirvam para garantir que a sociedade não se sinta ameaçada na garantia de seus direitos fundamentais. Ela precisa contemplar ações preventivas que sempre devem estar articuladas com outras políticas públicas.
Quando Segurança Pública precisa se expressar apenas por seu aparato policial militar, com ações repressivas para conter a prática de crimes, é sinal de que o Estado está ausente em outras áreas. É sinal evidente da fragilidade de um Estado que não consegue cumprir o seu papel de promotor da qualidade de vida da sociedade.
Já se sabe que o tráfico de drogas constrói seu domínio através de duas frentes: uma é o consumo - maiormente pago pelas classes mais abastadas - e a outra é a fidelização das comunidades pobres mediante garantia de alguns dos seus direitos básicos e arregimentação de quadros, substituindo a presença do Estado.
Portanto, o problema é mais estrutural e menos do que uma leitura maniqueísta entre jogadores do bem e do mal. A frase do referido policial é apenas um sintoma de como alguns agentes públicos encaram o que seja realmente Segurança Pública!
Seria muito bom, que para além das prisões de chefes do tráfico, se pudesse retirar deste mesmo tráfico o poder de manipular comunidades. E como se faz isso? Com políticas de fomento à qualidade de vida do povo. Enquanto existir o abismo social e econômico entre Rocinha e Gávea, existirá a fabricação desse jogo entre Estado e tráfico. Haverão outras operações militares e outros jogadores travarão uma batalha que ajudará somente numa coisa: elevar os índices de audiência da tv. Mas aos Josés e Marias da Rocinha e de outras favelas restarão fugir dos tiros e dos confrontos entre bandidos e policiais. E torcer para que estas balas não atinjam seus filhos e filhas! Um verdadeiro jogo sem graça.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …