Pular para o conteúdo principal

Juventude: extermínio e descaso das autoridades

Assim como na Amazônia, em cada rincão brasileiro estamos assistindo o descaso das políticas públicas que protejam e dignifiquem a nossa juventude. A carta denúncia abaixo é apenas uma faceta do que acontece diariamente, encarado por muitos como eventos normais. É hora de se dizer: basta!

CARTA DENÚNCIA

“Será que ninguém vê
O caos em que vivemos?
Os jovens são tão jovens
E fica tudo por isso mesmo
A juventude é rica, a juventude é pobre
A juventude sofre e ninguém parece perceber...”

(Trecho da Música Aloha, Legião Urbana)



A Rede Ecumênica pela Promoção e Direitos da Juventude- REJU Amazônia, vem a
público manifestar sua indignação com a crescente onda de extermínio de jovens na
Região Metropolitana de Belém.

Belém vive um momento de profunda comoção e reflexão diante dos fatos ocorridos
no último fim de semana (19/11) no distrito de Icoaraci, com a execução de seis
adolescentes. Um crime brutal e desumano. Infelizmente essa chacina não foi a
primeira e não será a última a ser registrada nos jornais de nossa cidade, pois todos
os dias o que a mídia revela (quando revela), são adolescentes e jovens, vitimas do
tráfico, da polícia, de violência, manifestações de ódio, racismo, homofobia e
discriminação pelas condições de pobreza em que vivem, a verdadeira
espetacularização da violência.

A violência urbana subverte e desvirtua determinadas funções das cidades, retira
recursos públicos já escassos, acaba com vidas, especialmente as dos jovens e dos
mais pobres, e dilacera famílias. De potenciais cidadãos, passamos a ser consumidos
pelo medo, pois o mercado que mais cresce é o de materiais e equipamentos de
segurança. É o processo de acumulação do capital em busca de novos nichos de
mercado, atingindo outros segmentos, na procura voraz de cada vez alcançar níveis
mais elevados de lucro.

A violência é compreendida apenas em seus aspectos de segurança e repressão, não
sendo considerados aspectos como da pobreza, considerada a mais trágica das
formas de violência, que, contraditoriamente, não é combatida, tampouco observa-se
a intenção de eliminá-la.

A insegurança causa reações adversas como a sensação de descontrole; pequenos
atos são motivos para ações violentas, a qual vem estimulando a ação de um Estado
penal, através de encarceramento e fortalecimento de mecanismos de controle
repressivos e punitivos. Logo, a ausência do Estado, através de garantia de direitos e


aplicação de políticas sociais, proporciona o descontrole que se alastra, sendo
enfrentado por um controle estatal repressivo.

A impunidade e inoperância do estado deixam nossa população refém do medo e do
silêncio. Nossa juventude quer viver! Quer ser feliz! Quer ser tratada como gente! É
vergonhoso o que estamos oferecendo aos nossos jovens: Policiais matando jovens,
escolas abandonadas, sistemas públicos de saúde e de educação que não atendem a
ninguém, muito menos a população de baixa renda! Segundo o observatório da
violência de 2011 o numero de homicídios no Pará quadruplicou em dez anos, a
Região Norte carrega o peso de mais de 4.856 casos de homicídios e Belém, a capital
que mais mata jovens na região, com 61,7%. Reforma política já!

A Rede Ecumênica pela Promoção e Direitos da Juventude na Amazônia, se solidariza
com as famílias dos adolescentes assassinados e se une a varias manifestações de
organizações populares, exigindo agilidade na apuração dos casos.

Basta de ver todos os dias nossos jovens serem eliminados pelo tráfico e pela polícia
no Brasil.



Belém, Pará, 24 de novembro de 2011

Rede Ecumênica pela Promoção e Direitos da Juventude- REJU AMAZÔNIA.

Compõe a REJU AMAZÔNIA

Paróquia Evangélica de Confissão Luterana de Belém- PECLB

Igreja Episcopal Anglicana do Brasil- Diocese da Amazônia- IEAB

I Igreja Presbiteriana Independente de Belém- IPI

Pastoral da Juventude da Arquidiocese de Belém- ICAR

Igreja Metodista- Núcleo de Missão de Belo Horizonte em Belém

Instituto Universidade Popular- UNIPOP



www.redeecumenicadajuventude.org.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…