Pular para o conteúdo principal

Tributo a Steve Jobs





Steve Jobs concluiu sua jornada na História e certamente deixa marcas que são inesquecíveis não somente para seus fãs dos tantos "Is" que criou, mas para todos nós.

Ousadia -  uma das marcas do grande inventor foi sua capacidade de ousar.  A criatividade era seu estilo e não tinha limites e para alcançar a perfeição.  Conta-se que tinha o costume de exigir dos seus funcionários dedicação absoluta à marca e para tal, quando havia um lançamento de um novo produto, cuidava pessoalmente de garantir absoluto sigilo ainda que fosse necessário impedir o contato de sua equipe com o mundo exterior à empresa. Era capaz de deixar os fãs de sua marca com a respiração suspensa até o lançamento de suas invenções. 

Inovação - Não se pode esquecer que Jobs foi um diferencial dentro da história da tecnologia. Detestava copiar o lugar comum. Dotado de grande visão, imaginava em como seus produtos podiam trazer satisfação ao seus consumidores. Conforto e eficiência estavam no centro de suas preocupações. Apesar de trabalhar com tecnologia e com aparelhos, a dimensão do prazer era componente obrigatório das suas invenções.  Mal lançava um produto e já começava a pensar em como superá-lo, numa inquietude sem limites.

Estética -  Normalmente se busca conciliar estética e tecnologia. Esse é um esforço que os inventores sempre fazem e Jobs tinha esse dom especial de conseguir fazer com que máquinas despertassem satisfação estética.  Os clientes da Apple expressavam este orgulho estético na relação com a marca e acabavam contagiando outras pessoas pelo seu encanto. A relação entre clientes e produtos fazia adultos se sentirem crianças, manipulando suas engenhocas e se deliciando com as funcionalidades.

Para além de qualquer coisa, não se trata aqui de atribuir a Steve Jobs um selo de semi-divindade.  Até mesmo porque sua consciência espiritual - regada pelos princípios budistas que assumiu com intensidade - sempre o fazia viver e falar como alguém que não tinha pretensão de eternidade e nem buscava exprimir materialmente o glamour de uma celebridade com exageros consumistas - o que acontece commumente com celebridades. Trata-se de honrar uma pessoa que fez a diferença na vida das pessoas  do mundo inteiro. 

E digo com toda tranquilidade que o mundo seria bem melhor se em todos os campos do conhecimento - inclusive no religioso -  houvessem mais pessoas assim, capazes de viver a sua vida com tamanha intensidade.  Precisamos de mais pessoas ousadas, inovadoras e que sejam capazes de agregar a beleza nas coisas que fazem. Na Política, na Economia, na Religião e em qualquer lugar do imenso campo de possibilidades do pensamento e da ação humanas, precisamos de gente que seja capaz de unir avanço tecnológico, beleza e satisfação. 
Obrigado Steve Jobs por seu exemplo.  Descanse em Paz!

Comentários

Lilian Lira disse…
Paz e bem, Dom Xico!

Concordo consigo plenamente, Dom.

Sendo da geração dos anos 70, pude acompanhar as invenções e os avanços tecnológicos dos quais Jobs foi um dos principais protagonistas. Inesquecível!

Alegra-me muito que um Bispo da Igreja faça uso das TIC's para singelamente homenagear alguém cujo testemunho deixa marcas indeléveis para a humanidade.

Cheiros fraternos e obrigada!

Lilian Lira

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…