Pular para o conteúdo principal

A Economia precisa se revestir de Humanidade

A presente crise econômica que tem causado apreensão nos mercados e nos governos da Europa, Ásia e Estados Unidos se constitui numa oportunidade única para os líderes mundiais repensarem o modelo capitalista que ainda é hegemônico no mundo.

O que mais me chama a atenção - e tenho dito isso em todas as audiências para as quais tenho tido a oportunidade de falar - é a submissão absoluta de Estados aos executivos e gerentes financeiros. Quando digo isso me refiro claramente aos magnatas e investidores que se arrogam no direito de decretar, como nos circus romanus, a vida e a morte de bilhões de pessoas. Ao invés de indicadores para cima ou para baixo - gesto dos imperadores para salvar ou não a vida dos derrotados nas arenas - a arma mais temida hoje é o teclado de lap tops que determinam a mobilidade incontrolada de capitais ao redor das mesas de apostas - bolsas - pelo mundo.

Recordo que na crise de 2008, cantada e decantada como a maior da história recente do capitalismo, os governos e bancos centrais fizeram circular cerca de USD 3 trilhões para salvar empresas financeiras e salvar a cara do modelo. Agora a dose se repete e, segundo alguns, já se evaporou cerca de USD 1 trilhão com socorro a bancos e instituições financeiras.

Um a um, vão se sucedendo as crises dos sistemas financeiros da Europa e nos Estados Unidos e na China. E qual a solução? Claro, os sapienciais magnatas, vão dobrando os joelhos de governos e de povos definindo operações de salvamento de instituições financeiras. A conta? Bem, essa é debitada na sociedade de trabalhadoras e trabalhadores que vem seus direitos sociais confiscados em nome de uma tal estabilidade e/ou governabilidade.

A coisa está tão feia que até nos Estados Unidos está se vivendo um movimento que lembra a luta pelos direitos civis na década de sessenta. A Grécia está a mais de mês sob intensa pressão de movimentos da sociedade que expõe a sua insatisfação com um governo que assinou um cheque em branco para evitar o tal default.

Mas onde começa a crise? Com toda a vênia aos meus amigos especialistas em Economia, afirmo que a crise tem sua causa na fragilização do Estado e da Política em favor de um liberalismo econômico que transferiu ao invisível mercado o poder de regrar a vida das sociedades.

Este filme, por incrivel que pareça já passou algumas vezes na História e o final não é nada feliz.

Não se pode deixar o galinheiro ser regido por raposas. Não sobrará nenhuma galinha. Ou se mudam os fundamentos políticos da sociedade, priorizando o trabalho - que afinal é o que produz riqueza - ou o capital destruirá de vez a possibilidade de se construir uma nova sociedade.

Relembro aqui as palavras do Filho de Deus: Não podeis servir a dois senhores! Ou servis a Deus ou às riquezas! Aliás, para nós brasileiros, muito recentemente refletimos sobre isso na Campanha da Fraternidade Ecumênica do ano passado.

Mais uma vez a Igreja está diante de um grande desafio: ao invés de discutirmos e pelearmos por questões ligadas à moral e a costumes, devemos enfrentar a falácia daqueles que pensam só na prosperidade e na perfeição de um mercado que se compõe apenas de papéis e gráficos reluzentes nas telas das bolsas de valores (cassinos?) do mundo. A Economia precisa se revestir de humanidade!

Comentários

Bispo, mais que uma questão econômica, estamos diante de um problema ético...
Meu amigo, perfeita a tua abordagem do assunto.É realmente necessário que os Estados busquem outro modelo econômico em que se valorize realmente o trabalho e o ser humano e não o capital. Aliás este negócio de dar nota para governos é pura especulação, pois certamente são dadas considerando os interesses das grandes fortunas.
Deus abençõe sempre a ti e ao teu ministério que possas sempre e cada vez mais guiar ao povo que ele colocou em tuas mãos.
Abçs. do amigo Eliseo Sena.

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…