Pular para o conteúdo principal

Monopólio de Comunicação e Democracia


A recente recomendação do Congresso Nacional do PT sobre um marco regulatório para os meios de comunicação causou alvoroços no ninho das grandes corporações de mídia no Brasil. A leitura imediata que se propagou foi a de que podemos ter o retorno da censura. Evidente que propalar essa versão tem a clara intenção de manipular a opinião pública sobre a realidade perversa que se vive hoje no país, onde as grandes corporações definem o que e como é informada a sociedade. 
Senão vejamos: quais meios de comunicação tem dado cobertura ao processo de apuração das suspeitas que recaem sobre o Presidente da CBF? Óbvio que não interessa aos conglomerados midiáticos colocar em risco contratos milionários com patrocinadores e cartolas do futebol. São estes patrocínios que sustentam hoje os orçamentos das TVs tanto abertas quanto à cabo. Não tenho visto ninguém levantar o tapete que esconde o processo quase "secreto" dos milionários projetos de preparação para a Copa de 2014, os quais tem na filha de Ricardo Teixeira uma espécie de musa coordenadora. Em recentes embates com setores da imprensa, Teixeira não tem medido esforços de ironizar alguns movimentos populares que querem monitorar o processo. Chegou a dizer: "só me preocupo se começar a sair (notícias de desmandos) no Jornal Nacional. O que isso quer dizer? Significa atribuir um poder à poderosa Globo maior do que aos órgãos estatais de investigação. 

Um outro fato que tem me chamado a atenção é a sutil insinuação de que as redes sociais são incitadoras de crimes. Nesta semana ouvi diversas vezes a afirmação de que os confrontos entre gangues de skinheads e punks foram agendados através de redes sociais. O problema não está na verdade da afirmação. Mas está naquilo que não é dito: ou seja, que as redes sociais tem se convertido em importante instrumento de crítica e de fiscalização das pautas definidas pelos grandes consórcios de comunicação do país. Por ser um meio livre e fora de controle político, as redes sociais são uma ameaça ao monopólio da comunicação. Por isso, setores conservadores e ligados aos interesses da grande mídia querem criar uma regulação da internet no Brasil. Para isso vale criar instrumentos regulatórios. Mas para os meios de comunicação social, não.

O Brasil precisa sim de um marco regulatório da comunicação. Isso não significa controle político, ou ideológico. Significa controle social. Possuir meios de comunicação em larga escala - como inclusive alguns políticos de fama duvidosa têm - é um grande risco à liberdade! Não é de hoje que os filtros de pautas definem o que os grandes grupos permitem ao povo ouvir e ver. A criminalização de movimentos sociais, por exemplo, tem sido a tônica dos grandes grupos de comunicação, financiados exatamente por aqueles que se contrariam com um controle social mais eficaz ou por políticas públicas que reduzam seus privilégios.

O recente episódio em torno da violação de domicílio de José Dirceu é apenas uma pequena mostra de como não existe sequer regulação ética do direito de praticar o que se chama de jornalismo investigativo. Não me refiro aqui ao José Dirceu como personagem da história recente do Brasil. Não se trata de um libelo à prática política dele. Mas o vejo como cidadão, com direito à privacidade e de se reunir com qualquer autoridade do país sem ser violado em sua privacidade. O jornalismo investigativo posto em prática por certos grupos visam apenas alguns grupos. Não há jornalismo investigativo para apurar a prática de trabalho escravo, por exemplo. Não há jornalismo investigativo para apurar, por exemplo, a ação de grupos ligados ao agronegócio no desmatamento da Amazônia. Enfim, a sociedade brasileira merece uma mídia mais ética e menos manipulativa. Democracia e monopólio são palavras antônimas!

Comentários

Norberta disse…
Parabéns pelo belo e ilustrativo texto. Em um pequeno espaço, conseguiu traduzir muitas das minhas opiniões, e acredito que sejam de outras pessoas também. Além disso, a opinião expressa nesse texto é extremamente lúcida, esclarecedora e ética, e como se não bastasse, ainda é um libelo profético.
Álvaro Reis disse…
Frei Xico, parabéns pelo texto. As redes sociais são constantemente apontadas como responsáveis por atos como vandalismo em Londres e agora como forma de marcar confronto entre gangs. Mas se esquecem que elas ajudaram muito na chamada "primavera árabe", que derrubou várias ditaduras "jurássicas".

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…