Pular para o conteúdo principal

No caminho da obediência ao chamado de Deus

Com muita alegria vivemos a experiência do Concílio Diocesano da Diocese Sul Ocidental neste fim de semana. Uma acolhida calorosa da Paróquia de Jesus Cristo, em Erechim, foi o começo de uma rica reunião conciliar. Clero e povo da diocese se reuniu para celebrar, avaliar passos e olhar para o futuro. O lema nos chamou a todos e todas para a obediência ao chamado de Deus para a Missão.
Na carta pastoral dirigida aos conciliares, destaquei a necessidade de passarmos do ouvir para o obedecer de acordo com o texto da pesca maravilhosa. Na Eucaristia de abertura, nosso irmão D. Miguel Tamayo, bispo da diocese companheira do Uruguai, nos lembrou o comportamento de Pedro. Um comportamento de obediência mesmo contra todas as evidências. Não é fácil sairmos de nossa racionalidade e dar lugar à uma fé que nos faz lançar as redes quando tudo aponta para uma pesca infrutífera.
Sair do conforto de que tudo está bem é uma tarefa que exige coragem.
No caso de nossa diocese, pudemos ver alguns relatórios que apontam para a necessidade de mudanças em nosso comportamento para que possamos cumprir com alegria e ousadia a vontade de Deus. Constatamos que os desafios administrativos e missionários podem ser superados se somos capazes de construir uma unidade de propósitos.
Aprovamos um Plano Pastoral para a diocese e assumimos o compromisso de contribuir para a sua implementação.
Em nossas celebrações durante o Concílio, confessamos a nossa desobediência em cumprir fielmente o mandado de Jesus e pedimos que Ele nos capacite a ouvir a sua voz e obedecer prontamente ao seu chamado.
Embora presidindo meu primeiro concílio - não podendo assim fazer comparações - percebi que os delegados e delegadas viveram um belo momento de comunhão. As discussões foram vividas num clima de profundo respeito e as divergências que foram expostas em alguns momentos o foram por princípios e não por questões pessoais. As votações foram tranquilas e as decisões consensuais.
Na celebração de encerramento cada um dos delegados compartilhou através de um peixinho de papel o seu sentimento e o seu compromisso para os próximos dois anos. E responderam generosamente à oferta de ação de graças sugerida pelo bispo.
Retorno da reunião conciliar confortado pelo carinho do povo e do clero. Como falei na abertura da primeira sessão, estou aprendendo a ser um bispo. E o povo e o clero interagiu de forma extraordinária. A Presidência do Concílio, ao contrário de seu um ônus, foi um rico aprendizado de respeito, colaboração e sentimento de unidade. Estamos todos e todas de parabéns e que Cristo seja louvado em nossas vidas!

Comentários

Xico Esvael disse…
Caro Bispo,

Reitero meus agradecimentos pelo convite, que me permitiu participar e presenciar mais um concílio de muinha Diocese natal. Para mim foi mais um aprendizado que me faz pensar a caminhada. Esta Diocese, sempre foi um celeiro de valores clericais e leigos o que deve motivá-la a consertar as redes, adquirir outras mais resistentes e modernas. Também é preciso alimentar a fé, a esperança e o amor, bem como aguçar os sentidos para lançar as redes em águas mais profundas. E que ao recolher os peixes saibamos partilhá-os para alimentar a fome da comunidade.

Xico Esvael

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …