No caminho da obediência ao chamado de Deus

Com muita alegria vivemos a experiência do Concílio Diocesano da Diocese Sul Ocidental neste fim de semana. Uma acolhida calorosa da Paróquia de Jesus Cristo, em Erechim, foi o começo de uma rica reunião conciliar. Clero e povo da diocese se reuniu para celebrar, avaliar passos e olhar para o futuro. O lema nos chamou a todos e todas para a obediência ao chamado de Deus para a Missão.
Na carta pastoral dirigida aos conciliares, destaquei a necessidade de passarmos do ouvir para o obedecer de acordo com o texto da pesca maravilhosa. Na Eucaristia de abertura, nosso irmão D. Miguel Tamayo, bispo da diocese companheira do Uruguai, nos lembrou o comportamento de Pedro. Um comportamento de obediência mesmo contra todas as evidências. Não é fácil sairmos de nossa racionalidade e dar lugar à uma fé que nos faz lançar as redes quando tudo aponta para uma pesca infrutífera.
Sair do conforto de que tudo está bem é uma tarefa que exige coragem.
No caso de nossa diocese, pudemos ver alguns relatórios que apontam para a necessidade de mudanças em nosso comportamento para que possamos cumprir com alegria e ousadia a vontade de Deus. Constatamos que os desafios administrativos e missionários podem ser superados se somos capazes de construir uma unidade de propósitos.
Aprovamos um Plano Pastoral para a diocese e assumimos o compromisso de contribuir para a sua implementação.
Em nossas celebrações durante o Concílio, confessamos a nossa desobediência em cumprir fielmente o mandado de Jesus e pedimos que Ele nos capacite a ouvir a sua voz e obedecer prontamente ao seu chamado.
Embora presidindo meu primeiro concílio - não podendo assim fazer comparações - percebi que os delegados e delegadas viveram um belo momento de comunhão. As discussões foram vividas num clima de profundo respeito e as divergências que foram expostas em alguns momentos o foram por princípios e não por questões pessoais. As votações foram tranquilas e as decisões consensuais.
Na celebração de encerramento cada um dos delegados compartilhou através de um peixinho de papel o seu sentimento e o seu compromisso para os próximos dois anos. E responderam generosamente à oferta de ação de graças sugerida pelo bispo.
Retorno da reunião conciliar confortado pelo carinho do povo e do clero. Como falei na abertura da primeira sessão, estou aprendendo a ser um bispo. E o povo e o clero interagiu de forma extraordinária. A Presidência do Concílio, ao contrário de seu um ônus, foi um rico aprendizado de respeito, colaboração e sentimento de unidade. Estamos todos e todas de parabéns e que Cristo seja louvado em nossas vidas!

Comentários

Xico Esvael disse…
Caro Bispo,

Reitero meus agradecimentos pelo convite, que me permitiu participar e presenciar mais um concílio de muinha Diocese natal. Para mim foi mais um aprendizado que me faz pensar a caminhada. Esta Diocese, sempre foi um celeiro de valores clericais e leigos o que deve motivá-la a consertar as redes, adquirir outras mais resistentes e modernas. Também é preciso alimentar a fé, a esperança e o amor, bem como aguçar os sentidos para lançar as redes em águas mais profundas. E que ao recolher os peixes saibamos partilhá-os para alimentar a fome da comunidade.

Xico Esvael

Postagens mais visitadas deste blog

Visita do Papa ao CMI: gesto de comunhão e cumplicidade para testemunhar unidade

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia