Pular para o conteúdo principal

No caminho da obediência ao chamado de Deus

Com muita alegria vivemos a experiência do Concílio Diocesano da Diocese Sul Ocidental neste fim de semana. Uma acolhida calorosa da Paróquia de Jesus Cristo, em Erechim, foi o começo de uma rica reunião conciliar. Clero e povo da diocese se reuniu para celebrar, avaliar passos e olhar para o futuro. O lema nos chamou a todos e todas para a obediência ao chamado de Deus para a Missão.
Na carta pastoral dirigida aos conciliares, destaquei a necessidade de passarmos do ouvir para o obedecer de acordo com o texto da pesca maravilhosa. Na Eucaristia de abertura, nosso irmão D. Miguel Tamayo, bispo da diocese companheira do Uruguai, nos lembrou o comportamento de Pedro. Um comportamento de obediência mesmo contra todas as evidências. Não é fácil sairmos de nossa racionalidade e dar lugar à uma fé que nos faz lançar as redes quando tudo aponta para uma pesca infrutífera.
Sair do conforto de que tudo está bem é uma tarefa que exige coragem.
No caso de nossa diocese, pudemos ver alguns relatórios que apontam para a necessidade de mudanças em nosso comportamento para que possamos cumprir com alegria e ousadia a vontade de Deus. Constatamos que os desafios administrativos e missionários podem ser superados se somos capazes de construir uma unidade de propósitos.
Aprovamos um Plano Pastoral para a diocese e assumimos o compromisso de contribuir para a sua implementação.
Em nossas celebrações durante o Concílio, confessamos a nossa desobediência em cumprir fielmente o mandado de Jesus e pedimos que Ele nos capacite a ouvir a sua voz e obedecer prontamente ao seu chamado.
Embora presidindo meu primeiro concílio - não podendo assim fazer comparações - percebi que os delegados e delegadas viveram um belo momento de comunhão. As discussões foram vividas num clima de profundo respeito e as divergências que foram expostas em alguns momentos o foram por princípios e não por questões pessoais. As votações foram tranquilas e as decisões consensuais.
Na celebração de encerramento cada um dos delegados compartilhou através de um peixinho de papel o seu sentimento e o seu compromisso para os próximos dois anos. E responderam generosamente à oferta de ação de graças sugerida pelo bispo.
Retorno da reunião conciliar confortado pelo carinho do povo e do clero. Como falei na abertura da primeira sessão, estou aprendendo a ser um bispo. E o povo e o clero interagiu de forma extraordinária. A Presidência do Concílio, ao contrário de seu um ônus, foi um rico aprendizado de respeito, colaboração e sentimento de unidade. Estamos todos e todas de parabéns e que Cristo seja louvado em nossas vidas!

Comentários

Xico Esvael disse…
Caro Bispo,

Reitero meus agradecimentos pelo convite, que me permitiu participar e presenciar mais um concílio de muinha Diocese natal. Para mim foi mais um aprendizado que me faz pensar a caminhada. Esta Diocese, sempre foi um celeiro de valores clericais e leigos o que deve motivá-la a consertar as redes, adquirir outras mais resistentes e modernas. Também é preciso alimentar a fé, a esperança e o amor, bem como aguçar os sentidos para lançar as redes em águas mais profundas. E que ao recolher os peixes saibamos partilhá-os para alimentar a fome da comunidade.

Xico Esvael

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…