Pular para o conteúdo principal

No caminho da obediência ao chamado de Deus

Com muita alegria vivemos a experiência do Concílio Diocesano da Diocese Sul Ocidental neste fim de semana. Uma acolhida calorosa da Paróquia de Jesus Cristo, em Erechim, foi o começo de uma rica reunião conciliar. Clero e povo da diocese se reuniu para celebrar, avaliar passos e olhar para o futuro. O lema nos chamou a todos e todas para a obediência ao chamado de Deus para a Missão.
Na carta pastoral dirigida aos conciliares, destaquei a necessidade de passarmos do ouvir para o obedecer de acordo com o texto da pesca maravilhosa. Na Eucaristia de abertura, nosso irmão D. Miguel Tamayo, bispo da diocese companheira do Uruguai, nos lembrou o comportamento de Pedro. Um comportamento de obediência mesmo contra todas as evidências. Não é fácil sairmos de nossa racionalidade e dar lugar à uma fé que nos faz lançar as redes quando tudo aponta para uma pesca infrutífera.
Sair do conforto de que tudo está bem é uma tarefa que exige coragem.
No caso de nossa diocese, pudemos ver alguns relatórios que apontam para a necessidade de mudanças em nosso comportamento para que possamos cumprir com alegria e ousadia a vontade de Deus. Constatamos que os desafios administrativos e missionários podem ser superados se somos capazes de construir uma unidade de propósitos.
Aprovamos um Plano Pastoral para a diocese e assumimos o compromisso de contribuir para a sua implementação.
Em nossas celebrações durante o Concílio, confessamos a nossa desobediência em cumprir fielmente o mandado de Jesus e pedimos que Ele nos capacite a ouvir a sua voz e obedecer prontamente ao seu chamado.
Embora presidindo meu primeiro concílio - não podendo assim fazer comparações - percebi que os delegados e delegadas viveram um belo momento de comunhão. As discussões foram vividas num clima de profundo respeito e as divergências que foram expostas em alguns momentos o foram por princípios e não por questões pessoais. As votações foram tranquilas e as decisões consensuais.
Na celebração de encerramento cada um dos delegados compartilhou através de um peixinho de papel o seu sentimento e o seu compromisso para os próximos dois anos. E responderam generosamente à oferta de ação de graças sugerida pelo bispo.
Retorno da reunião conciliar confortado pelo carinho do povo e do clero. Como falei na abertura da primeira sessão, estou aprendendo a ser um bispo. E o povo e o clero interagiu de forma extraordinária. A Presidência do Concílio, ao contrário de seu um ônus, foi um rico aprendizado de respeito, colaboração e sentimento de unidade. Estamos todos e todas de parabéns e que Cristo seja louvado em nossas vidas!

Comentários

Xico Esvael disse…
Caro Bispo,

Reitero meus agradecimentos pelo convite, que me permitiu participar e presenciar mais um concílio de muinha Diocese natal. Para mim foi mais um aprendizado que me faz pensar a caminhada. Esta Diocese, sempre foi um celeiro de valores clericais e leigos o que deve motivá-la a consertar as redes, adquirir outras mais resistentes e modernas. Também é preciso alimentar a fé, a esperança e o amor, bem como aguçar os sentidos para lançar as redes em águas mais profundas. E que ao recolher os peixes saibamos partilhá-os para alimentar a fome da comunidade.

Xico Esvael

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…