Pular para o conteúdo principal

Flores para calar a violência

A tragédia que se abateu sobre a Noruega nos deixa pasmos diante de uma realidade inexplicável. A despeito de todas as tentativas de análise sob diversos ângulos, o que fica em nossas mentes e corações é um profundo sentimento catatônico. Uma sociedade com um dos perfis mais pacifistas do mundo foi atingida em sua psiquê coletiva por um golpe covarde e inesperado de um indivíduo dominado por um ódio desmensurado. Uma pessoa que. sem dúvidas, poderiamos dizer completamente dominada pelo que se pode chamar de sombra da morte.

Um inimigo declarado da tolerância e da civilidade. Um aprisionado de uma ideologia quase inconcebível para os novos tempos. Um típico caso de transtorno de personalidade que, segundo algumas estatísticas psiquiatricas atinge de 0,5 a 3,0% da populaçao em geral. São pessoas que geralmente não despertam nenhuma suspeita e que podem estar convivendo conosco em circunstâncias absolutamente normais. Para acionarem o seu potencial violento e destrutivo necessitam apenas ser capturados pela sua sombra psicológica que tem no ódio o combustível que vai se alicerçando até sua manifestação final.

Para além do que se pode explicar pelos resursos da ciência psicológica, o que fica porém é a dor de um povo que chora seus mortos inocentes. Entre eles muitos jovens que estavam participando de um acampamento na ilha de Utoya. E o que estes jovens estavam fazendo? Era nada mais nada menos do que uma preparação para o exercíco de uma cidadania responsável. Buscavam assim se capacitar para a construção de uma sociedade inclusiva, baseada no respeito à vida, aos direitos individuais e coletivos e na superação da discriminação das populações imigrantes. Um tema que tem distinguido na Europa e nos Estados Unidos os segmentos da direita e da esquerda.

Chama a atenção a forma como o povo norueguês reagiu ao terrível massacre. A comoção traduzida num gesto de tristeza, mas cheio de um corajoso não à violência injustificada. A marcha das flores ensina-nos que a violência deve ser combatida com maturidade e serenidade. Um exemplo de unidade que transformou a dor de uma nação inteira em um grande jardim de esperança. Uma grande familia que, a despeito de seus filhos mortos, preferiu reafirmar seu compromisso com a paz.

Que Deus acolha as vítimas inocentes e que fortaleça cada vez mais a sociedade norueguesa a continuar o seu compromisso na luta contra o mal. Nossa fé no Deus da vida proclama que as forças do mal não prevalecerão contra nós. Nossa solidariedade ao povo da Noruega e o desejo de que cenas dessa magnitude não se repitam e que a dor seja substituída pela esperança na qual as armas sejam substituídas pelas flores!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …