Pular para o conteúdo principal

Amy e a perversão da mídia

A morte de Amy Winehouse certamente levanta algumas questões sobre como se trata os artistas e as celebridades no mundo. A jovem estrela britânica certamente sucumbiu ao peso da fama e hoje os que quase canonizam a pop star foram os mesmos que não tiveram nenhuma misericórdia com seus contínuos tropeços por causa da fuga que ela encontrava na dependência química.

Minha crítica à mídia não se dá no campo da censura ao direito de informar ou retratar a realidade. Se dá no campo da ética e do respeito à dignidade humana. Amy sempre pediu socorro ao mundo através de suas músicas. Mas ninguém foi capaz de ouvir seu clamor. Pelo contrário, usufruíram da sua genialidade e a fizeram chegar num pedestal onde tinha que se sentir estrela e não uma mulher comum, com seus sonhos, suas paixões e suas depressões.

Quando a pulsação de sua baixa estima se tornava incontrolável, explodia incontrolavelmente em aparições públicas que a jogavam ainda mais para o fundo do poço. Nestes infelizes momentos, a mídia a explorou como pode. Perde-se a conta de quantas vezes a imagem de uma jovem mulher bêbada e agressiva foi capa de jornais e imagem pública de televisões. E isso deu dinheiro. Agora, como expressão de culpa, a mídia comete a desfaçatez de expor a dor de sua família - antes ninguém fazia isso - para afirmar que ela era uma boa menina, de coração puro e tantos outros atributos que não importavam antes.

Essa é apenas mais uma faceta que se repete em torno de pop stars. Assim foi com Michael Jackson, Elvis Presley, Marilyn Monroe, Kurt Cobain, entre tantos outros...

Tenho absoluta certeza de que Amy afirmaria o que Kurt Cobain certa vez disse: '' ... Se meus olhos mostrassem a minha alma, todos, ao me verem sorrir, chorariam comigo ... '' Aqui no Brasil, quem não se lembra de Cássia Eler? Talvez ela tenha sido a nossa Amy Winehouse. Sua arte era um grito de socorro, profundo e cheio de uma vontade de viver e amar.

Infelizmente a mídia trabalha com categorias muito diferentes: imagem, glamour e lucro. E o faz na fama ou na desgraça desde que o lucro continue.

Meus profundos sentimentos por Amy, cuja vida e linguagem só foi entendida por quem estava próximo dela ou quem conseguia ler os seus olhos. Que Deus a acolha nos seus braços misericordiosos e que ela encontre a paz que sempre buscou mas que o mundo não pode lhe dar. Amy, encante os céus com seus dons. Lá onde ninguém vai explorar a sua imagem. Rest in Peace Amy!

Comentários

Belo texto meu bispo! Posso publicá-lo?
Anônimo disse…
Caro Xico,
Essa reflexão é um bálsamo para todos nós que lutamos pela dignidade humana. Enquanto a ideologia da busca desenfreada pelo lucro dominar nossa sociedade ocidental novas Amies surgirão. Teu texto é um grito profético, como profética deve ser sempre a voz da Igreja.
Anivaldo Padilha
Xico Esvael disse…
Caro xará,

Compartilho de suas reflexões, acrescentando que a mídia amplifica a crueldade típica de uma sociedade hipócrita e autofágica, que se alimenta constantemente das desgraças produzidas por ela mesma. Se alguns mais próximos dela, tivessem ouvido um de seus apelos: When will we get the time to be just just friends? Talvez ela não precisasse terminar assim.

Xico Esvael
Silvio Freitas disse…
Bela reflexão Dom,

Realmente, precisamos refletir criticamente sobre a enxorada de "informações" que recebemos hoje de nossa mídia, discernir sobre as motivações de uma imprensa preocupada unicamente com o "furo" jornalístico em detrimento dos sentimentos, dores e tragédias pessoais. Deus tenha misericórdia de nós!
Silvio

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …