Pular para o conteúdo principal

Copa 2014: qual o limite entre o público e o privado?

Assistimos recentemente à uma discussão política sobre a questão do sigilo e das licitações relacionadas à próxima Copa do Mundo no Brasil.
Diversos posicionamentos à direita e à esquerda trataram de argumentar sobre questões de urgência, de cronograma e de transparência no trato de projetos que envolverão bilhões de reais e trarão inevitavelmente impactos na economia brasileira.
Mas o mais preocupante de tudo foi a possibilidade de se garantir que a execução das obras pudesse ser isenta do monitoramento da sociedade, criando-se assim um estado de exceção favorecedor de desperdício de recursos públicos.
Ninguém deseja, é claro, que o Brasil passe a vergonha de sediar uma Copa do Mundo sem oferecer as devidas condições de infraestrutura. Principalmente quando o país ocupa hoje um especial lugar de nação que tem ampliado sua potencialidade econômica e avançado no respeito que hoje lhe é creditado como economia emergente.
No entanto, essa corrida contra o relógio para cumprir um cronograma para a Copa é apenas mais um sintoma de que temos sido descuidados com nossa própria infraestrutura que deveria estar em processo de modernização sem que para isso fosse necessária uma Copa para apressá-la.
Um outro aspecto que deve ser considerado é a distinção entre investimentos em infraestrutura - que deverão servir à sociedade - e os investimentos em projetos que dizem respeito a interesses privados. Tomo aqui o exemplo do que foi aprovado ontem na Câmara Municipal de São Paulo: um pacote de incentivos fiscais de mais de R$ 400 milhões para a construção do estádio do Corinthians. E aqui cabe a pergunta: o povo de São Paulo realmente prefere sacrifício fiscal desse tamanho ao invés de aplicar receita tributária em serviços públicos?
Parece-me que este tipo de compreensão de que recursos públicos possam ser utilizados para obras que não trarão beneficio direto à sociedade está ganhando força. E, como um todo, começa a ser defendido por segmentos políticos associados a interesses empresariais privados.
É muito importante se ter a discriminação clara entre o que é investimento público - para a sociedade como um todo - e investimento que só trará benefícios para um restrito segmento da sociedade.
Eu tenho afirmado a amigos que essa pressão para impedir cada vez mais o controle social sobre os investimentos para a Copa de 2014 é uma estratégia que se podia esperar. E ainda é hora de a sociedade brasileira tomar o pulso da situação. Porque se não criarmos mecanismos claros de controle, estamos contribuído para uma apropriação indébita de recursos públicos por parte de setor privado e aí o ganho será duplo: o Estado brasileiro constrói o parque e o setor privado ainda fica como lucro da festa!
Devemos abrir o olho e separar as coisas para que a Copa possa deixar de herança pelo menos um bom resultado para a sociedade brasileira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…

Message from Primate of Brazil about Primate`s Decision on the recent meeting in Canterbury

Brothers and sisters,
As I expressed earlier, I did not want to communicate anything prior to the end of the meeting regarding the heat of the debates that followed the discussion taken by the majority of Primates in relation to the Episcopal Church of the United States (TEC). In other words, the temporary suspension for three years from all decision-making entities of the Communion, rooted in [TEC]’s decisions with respect to the Matrimonial Canon.

Today I arrived in Brazil and would like to share a pastoral word with the Church regarding this matter. This issue took up a disproportionate amount of time from the meeting and was very difficult for all of the Primates. The most extreme position of the GAFCON primates was to demand an apology or require the withdrawal from the Communion of both TEC and the Church of Canada. This position caused a reaction that brought the Primates into the center of the debate, and the more progressive members sought alternatives that might have caused a …