Pular para o conteúdo principal

IEPC desafia as Igrejas a assumir seu papel

Muitos testemunhos de diversos lugares do mundo estão sendo compartilhados na Convocação Ecumênica pela Paz durante estes quatro dias. Sob várias perspectivas, sejam de fé, culturais e de gênero, todos são unânimes em reconhecer que o Planeta está a pedir socorro diante de tantas agressões e usos indevidos dos recursos humanos, financeiros e naturais.

A paz verdadeira só se consegue a partir de um olhar de acolhimento das diferenças. Para tanto se precisa construir uma metodologia de diálogo sincero entre povos, fés e culturas. Paz também pressupões uma inversão de agendas dos poderosos deste mundo, acostumados a estimular o medo e legitimar conflitos armados em nome de interesses que não são necessidades da maioria de seus povos.

As Igrejas e religiões têm um papel preponderante no processo de construção de uma cultura de paz. Todas são desafiadas a construir agendas positivas de reconciliação e diálogo entre elas mesmas. A crítica ao sistema dominante que transforma as pessoas em objetos de interesses econômicos ou ideologias é parte desse processo de construção de uma agenda pacifista.

Na celebração matinal de ontem aqui em Kingston nos mostrou a tristeza da arte infantil com os desmandos da vida moderna tais como a guerra, o desmatamento, o uso egoísta dos recursos naturais e a violência contra as pessoas. Fico imaginando como anda a psiquê dessas crianças do mundo inteiro com imagens tão fortes e tão realistas que nos parece empurrar para o desencantamento com a vida e a beleza.

Vivemos tempos que a realidade parece nos desumanizar e foi isso que vi nos desenhos expostos na celebração. Graças a Deus que na parte final da celebração se fez a antítese desse quadro e os desenhos de outras crianças nos mostravam a esperança da solidariedade, do respeito à vida e a preservação da natureza.

Como Igreja, precisamos ser mais proativos na defesa de uma cultura de paz e de inclusões. Uma Igreja que silencia sobre a violência não é Igreja, como bem afirmou a Dra Margot Kassmann. Uma Igreja que não se esforça em fazer a crítica de um sistema que legitima a guerra através do medo está longe de ser um testemunho vivo do Deus da Paz.

Fiquei emocionado com o testemunho do povo da ilha de Tuvalu. Um povo que vive em 26 quilômetros quadrados de uma terra linda ameaçada de desaparecer por causa do aquecimento global. Eles serão invadidos pelo mar e sua cultura, construída por longas gerações, corre o risco de desaparecer por causa da irresponsabilidade dos poderosos desse mundo.

As Igrejas são desafiadas portanto a abrir os olhos e iniciar uma verdadeira revolução ética que leve os povos do mundo a reconhecer que ferir a Mãe Terra implica em matar seus filhos e filhas. Isso exige um testemunho firme contra os poderes excludentes deste mundo.

Comentários

MAZUKIELVES disse…
Fico preocupado com a nossa situação aqui no Brasil, onde as Igrejas (na sua maioria neo-pentecostal) estão preocupadas com o testemunho de uma "fé" e de um deus que se destina atender a pedidos em momentos de falta de saúde ou crise financeira. O testemunho das Igrejas do Brasil deveria ser para com os mais fracos e excluídos, para com a natureza desgastada com o consumo desenfreado de homens e mulheres interessados somente em construir riquezas neste mundo... existe um documentário excelente que se chama "CONVOCAÇÃO" disponível em locadoras de filmes no Brasil onde mostra a realidade das religiões em colocar na pauta das suas ações a construção de um mundo de Paz. Mas será que todas serão capazes de morrer para si mesmas e construir um mundo de tolerância e sem preconceitos uns dos outros? Abraço, querido amigo Bispo Xico.

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…