Pular para o conteúdo principal

IEAB mourns the death of Jaci Maraschin


Jaci Corréia Maraschin (1929-2009): priest, poet, and theologian.
The Episcopal Anglican Church of Brazil (IEAB) is greatly saddened to announce the passing of one of its most illustrious members. Ardent defender of liberty, inclusiveness, the ordination of women, and creativity in hymns and liturgy, Rev. Maraschin was born in Bagé, State of Rio Grande do Sul, where from an early age he began to put his talents to work for the church.
He was a youth leader at his home parish, Matriz do Crucificado, and a leader of the monthly publication Flámula ("Flame") for young people in the
church. He entered seminary in Porto Alegre in 1951 and was made a deacon in 1953 at Igreja da Ascensão in Porto Alegre. The year thereafter he was
ordained a priest and went to study at General Theological Seminary in New York. As soon as he returned to Brazil, in 1956, he was put in charge of
coordinating Christian education and began to teach at the Theological Seminary of Brazil, ambitiously modernizing religious education and seeking
to incorporate the diversity and richness of Brazilian culture. His next experience abroad was in 1964, when he traveled to Strasburg, France to do his doctoral studies in Religious Science. With his thesis on Frederick
Denison Maurice, he graduated Magna Cum Lauda, the first Brazilian Episcopalian/Anglican to earn such distinction in Europe. Back in Brazil, he continued to teach at the Seminary and began to represent the Brazilian Church in denominational and ecumenical forums in Brazil and in other countries. Rev. Maraschin was one of the founders of the Association of
Evangelical Theological Seminaries (ASTE) and served as its executive secretary for many years.

In 1976, he was elected member of the Commission
on Faith and Order of the World Council of Churches and in 1981 was chosen by the Archbishop of Canterbury to represent Brazil at the Anglican
Consultative Council in 1990, where he helped to draft guidelines for the Provinces of the Communion. The Archbishop of Canterbury chose Rev. Maraschin to serve on a few international commissions, including the
Anglican-Roman Catholic International Commission (ARCIC), within which he helped construct the famous document Gift of Authority, signed by both
churches. Rev. Maraschin's contribution to liturgical music, as author, composer, and translator, is a valuable legacy not only for the IEAB but also many other churches in Brazil and beyond. His latest project was to coordinate a revision of the IEAB's hymnal.
It would be difficult to think of a priest, theology student, or lay leader in the IEAB who was not profoundly influenced by Rev. Maraschin, whose motto
was "life goes only as far as liberty does". He is survived by his spouse, Ana Dulce and daughters Ana Isabela and Rosa Maria and four grandchildren.

R.I. P. dear friend!

Comentários

Décio E. Lauretti disse…
Convivi com Maraschin nos anos 70, quando musiquei algumas de suas linas poesias. Moro no interior de SP há 31 anos, perdemos contato. Senti vontade de revê-lo, 'qualquer dia eu vou' e, hoje, fiquei muito triste ao saber, pelo Rubem Alves, que Maraschin morreu ...
Um abraço à sua família, ele faz parte das nossas vidas.
Décio E. Lauretti
Socorro - SP

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…