Pular para o conteúdo principal

IEAB mourns the death of Jaci Maraschin


Jaci Corréia Maraschin (1929-2009): priest, poet, and theologian.
The Episcopal Anglican Church of Brazil (IEAB) is greatly saddened to announce the passing of one of its most illustrious members. Ardent defender of liberty, inclusiveness, the ordination of women, and creativity in hymns and liturgy, Rev. Maraschin was born in Bagé, State of Rio Grande do Sul, where from an early age he began to put his talents to work for the church.
He was a youth leader at his home parish, Matriz do Crucificado, and a leader of the monthly publication Flámula ("Flame") for young people in the
church. He entered seminary in Porto Alegre in 1951 and was made a deacon in 1953 at Igreja da Ascensão in Porto Alegre. The year thereafter he was
ordained a priest and went to study at General Theological Seminary in New York. As soon as he returned to Brazil, in 1956, he was put in charge of
coordinating Christian education and began to teach at the Theological Seminary of Brazil, ambitiously modernizing religious education and seeking
to incorporate the diversity and richness of Brazilian culture. His next experience abroad was in 1964, when he traveled to Strasburg, France to do his doctoral studies in Religious Science. With his thesis on Frederick
Denison Maurice, he graduated Magna Cum Lauda, the first Brazilian Episcopalian/Anglican to earn such distinction in Europe. Back in Brazil, he continued to teach at the Seminary and began to represent the Brazilian Church in denominational and ecumenical forums in Brazil and in other countries. Rev. Maraschin was one of the founders of the Association of
Evangelical Theological Seminaries (ASTE) and served as its executive secretary for many years.

In 1976, he was elected member of the Commission
on Faith and Order of the World Council of Churches and in 1981 was chosen by the Archbishop of Canterbury to represent Brazil at the Anglican
Consultative Council in 1990, where he helped to draft guidelines for the Provinces of the Communion. The Archbishop of Canterbury chose Rev. Maraschin to serve on a few international commissions, including the
Anglican-Roman Catholic International Commission (ARCIC), within which he helped construct the famous document Gift of Authority, signed by both
churches. Rev. Maraschin's contribution to liturgical music, as author, composer, and translator, is a valuable legacy not only for the IEAB but also many other churches in Brazil and beyond. His latest project was to coordinate a revision of the IEAB's hymnal.
It would be difficult to think of a priest, theology student, or lay leader in the IEAB who was not profoundly influenced by Rev. Maraschin, whose motto
was "life goes only as far as liberty does". He is survived by his spouse, Ana Dulce and daughters Ana Isabela and Rosa Maria and four grandchildren.

R.I. P. dear friend!

Comentários

Décio E. Lauretti disse…
Convivi com Maraschin nos anos 70, quando musiquei algumas de suas linas poesias. Moro no interior de SP há 31 anos, perdemos contato. Senti vontade de revê-lo, 'qualquer dia eu vou' e, hoje, fiquei muito triste ao saber, pelo Rubem Alves, que Maraschin morreu ...
Um abraço à sua família, ele faz parte das nossas vidas.
Décio E. Lauretti
Socorro - SP

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…