Pular para o conteúdo principal

Amazing Together


Anglicans from all regions in the Americas are gathering in Costa Rica to share a mutual responsibility in Mission and find ways for more efficient cooperation between Provinces and dioceses.
After a long period of preparation, which includes conference calls, the meeting becomes reality with the presence of leaders representing the provinces such as five of the seven Primates, Provincial Secretaries and others leaders in a diversity of orders and involvement within their Provinces.
Celebration, Bible study and presentation of what each Province is doing under the light of five marks of the Anglican Mission has been shared in the midst of a very attentive and respectful attitude.
In his opening message of the meeting, Archbishop Martin Barahona said that the responsibility of Anglicans in this part of the world is to stand together, united for an effective witness of the Gospel values.
The director of Mission of the Anglican Communion, Reverend John Kafwanka addressed to the plenary a reflection on the nature of the Mission. In his speech he said that the mission is not something that the Church does, but it is something inherent to the nature of the God's people. The purpose of the Mission is welcome, he said, and welcome all humanity in Christ. And in a world that now faces the challenge of an economic crisis, the success of the Mission depends on the sharing of gifts and creativity.
The presentations that each Province has done, show the richness of a work that is done in such different contexts but with the same feeling: the commitment to ministry to the world.
The Province of Brazil feels honored to participate in this historic moment and expressed the hope that we can learn from each other and serve as foundation for a process of practical cooperation between our province in the Americas. The challenges are great but the love of God is greater!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…