Pular para o conteúdo principal

Who is worried about who?

The recent financial crisis in world markets called my attention to an issue that needs to be considered as one of the greatest weaknesses of our time.
It is what I call the (non) ethic of capitalism. At a time when the world and churches are working in find ways to support the fight against inequalities, is so sad to see leaders around the world find money to save financial institutions with an incredible amount of trillions of dollars. Certainly no one is interested in the break of the financial system with all consequences directly linked with people’s life.

We are not interest in improve the poverty of billions of workers around the world.

However, the basic question is: how is it possible governments have so much money to help the financial machine, exactly when the system affirms that States are becoming so reduced in economic power? Especially, after de breakdown of the socialism, the majority of thinkers affirmed strongly that there would be no more government intervention in the market economy. The actual crisis shows that another myth falls: the market is ruled by itself!

In every place in this world we have two categories of citizens: a little group that own beyond what is necessary and a larger group that has no what is absolutely necessary.

The Church is growing more and more about the need to implement the MDGs. The present crisis and the solutions for it that powerful people is looking for shows how we have a lack of political will to overcome inequalities.

It is a serious mistaken think that this crisis will be solved with spending trillions for banks. Many of those who lost with the crisis will try to recover their investments and will cause further problems such as recession, unemployment and indebtedness. Today is three, tomorrow more one and so on. The Leviathan (remembers Hobbes) is hungry!

A third of that money spent to save the financial system could ensure sanitation for the poor of the Latin American continent who lives in unhealthy areas.

Comentários

John disse…
El conocido teologo anglicano, Mrederick Denison Maurice, ya predico hace 150 anos que si un sistema economico esta fundado en la avaricia y la competencia, sus valores basicos no son cristianos. Considero que la critica de el sigue siendo valida!

The well-known Anglican theologican Frederick Denison Maurice already preached 150 years ago that if an economic system is founded on greed and competition, its basic values are not Christian. I consider that his critique continues to be valid!

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…