Pular para o conteúdo principal

The risk of Hybris: Anglicans who consider themselves as fully right!

Many analyses have been made on the current crisis within the Anglican Communion, which increasingly is issuing in schisms in many parts of the Communion.

Generally they refer to theological matters referring to the differences in hermeneutics as the main cause of tensions, especially related to what the Bible says about sexual behavior. That is true.

In the view of others, the central issue is related to power. Power to try and show that the truth is owned by those who define themselves as defenders of the true faith. This is also true.

But I would add a new aspect in these analyses: the inflation of the self or, in Greek, HYBRIS.

People who consider themselves as model of faith sometimes forget completely the community dimension, the collegiality and humility before others.

They often underestimate the weight of institutions, canons, hierarchy, obedience --  everything that might mean a limit to their convictions.

The path that many Anglicans are choosing today is the dangerous path of spiritual pride.

Do you remember the path of Peter? He said that he never would betray the Lord. And we all know what happened. Thank God,   there is always the chance of forgiveness, but only after purification of the ego and the destruction of Hybris.

There is an Indian proverb that says the following: when we speak so loud we are distant from our hearts and from our brothers’ heart. This is a way of saying that those who shout are living in a state of Hybris. For them there is no dialogue, but monologues.
But in fact, no one can be considered the true owner of truth. The truth belongs to God.

I hope that those who today are breaking the communion and going out from the table will experience the Peter’s path

For the wellbeing of the Anglican Communion and for the growth of our maturity!

Comentários

Perhaps one of the things "development" does for people is develop the ego! Thanks for your analysis of our problem, Francisco.

Postagens mais visitadas deste blog

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Quinta-feira Santa

Após a vivência da comunhão e do aconchego confortador da família de Marta e Maria em Betânea, Jesus sai para a sua jornada final que o levará à morte. Lendo nesta perspectiva, o movimento de Betânea para Jerusalém é um esquema que de certa forma nos lembra o movimento da Igreja: quando nos reunimos como povo de Deus, vivemos o consolo de sua Palavra e de seu Sacramento e saímos para a missão. Jesus e seus discípulos fizeram isso repetidas vezes nestes dias. Agora a missão terá seu cumprimento definitivo e Jesus está preparado para ela.

O dia começa com a preparação da ceia pascal. A preparação do cenáculo exige cuidado, carinho e está carregada de muita emoção. Ali, no ambiente de celebrar a memória da libertação do povo de Deus, assistiremos uma conversa e um gestual que marcarão a comunidade dos discípulos e discípulas para sempre.

O dia de hoje nos exigirá expor algumas representações diferentes. Ao longo do dia, estaremos meditando, em momentos diferentes as distintas cenas que r…

Meditações da Semana Santa através da arte e da iconografia

Tenho tido uma rica experiencia pessoal nos anos recentes quando celebramos a Semana Santa. Através da minha página do Facebook, desde a Quinta-feira Santa, costumo publicar imagens de pinturas sacras que nos evocam a meditação sobre os eventos que marcam a última semana do ministério de Jesus entre nós.
Para este ano, convido as pessoas amigas a fazer um caminho de oração e reflexão dos eventos desta semana através da arte sacra: pinturas, ícones e desenhos que nos prendam a atenção verdadeiramente orante.
Espero com isso contribuir que cada pessoa viva esta experiencia e, se possível,  interaja com outras compartilhando como se sentiu e criando assim um círculo de admiração da arte e da devoção.  A experiencia de reunir texto bíblico, oração e arte é algo que tem um resultado muito bom. Para mim tem sido assim e vou compartilhar nesta Semana Santa com todos vocês!

Com estamos em véspera do Domingo de Ramos, vamos iniciar a experiencia hoje mesmo com a unção de Jesus por Maria, irmã …

Meditações na Semana Santa através da arte e da iconografia: Segunda-feira Santa

Na cronologia dos relatos da última semana de Jesus temos, após a entrada em Jerusalém, sua atenta observação a tudo que acontecia em torno do Templo. Certamente muita agitação em torno das peregrinações para a celebração da Páscoa no centro nervoso da religião. Ele retorna com seus discípulos para Betânea e, no dia seguinte, retorna a Jerusalém. Dois episódios são relatados: A maldição da figueira e a expulsão dos mercadores do Templo. No primeiro, Jesus possivelmente apontava para o descontentamento com um sistema religioso que estava estéril e que enganava a muitos por uma aparente folhagem. No segundo, Jesus revela a sua indignação contra a mercantilização da religião, desenvolvida com a completa omissão de quem devia zelar por ela.



Pintura de Ganesh Shegoy

Giandomenico Tiepolo (c. 1750)


"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figue…