Pular para o conteúdo principal

Impressions from Hong Kong



My debut as a member of this important body within our Communion is giving me greater awareness on the diversity of our church.

The Church in Hong Kong received us all with a warmest feeling of hospitality. Kindness and promptness in offer to us a very organized event looking for everything that make us touched for their witness as brothers and sisters in Christ.

The first thing I would like to point is the important fact that we can stay together with a large difference of roles and Provincial styles related to the job of a Provincial Secretary. This makes the event even more exciting in way to offer rich approaches.

Beyond that, is clear that this three yearly meeting permits every Provincial Secretary to update its own comprehension on the dynamic and changeable context of our Communion.

The Hong Kong’s Conference is offering a singular opportunity to show how as Provincial Secretaries we can contribute for more inter-dependence between our Provinces in terms of strengthens and weakness that each of it has.

This interdependence has been raised more during this Conference trough a daily sharing of word and sacrament. At the table we are all so little children before our God.

We are different in many ways: theology, culture, making-decisions experiences, etc. but this difference is not a problem. In contrast it helps us to hear one another with love, humble attitude and openness of mind.

May God bless our meeting and inspires all of us to build more and more close relationships that enables our Communion to be relevant in a world that ask us as Christians to be more effectively in our mission!

Comentários

Rev Fr. Anthony disse…
Thanks you Francisco. This is a wonderful piece of work within this short time.

Keep it up and through this we will be constantly linked to one another.

May the Almighty God richly bless your good works.

Anthony+
West Africa

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de quem foi rotulado de vândalo pela mídia golpista

Acordei hoje pela manhã e me descobri vândalo!

Eu e 35 milhões de brasileiros que fomos ontem às ruas para protestar contra o desmonte dos direitos dos trabalhadores neste país.
Fizemos tudo de forma pacífica, organizada e corajosa. Aí, a mídia golpista estampa hoje na capa de um dos seus "pasquins" a foto de um vândalo (certamente infiltrado pela direita) depredando um banco talvez (porque não é uma creche, ou escola, ou hospital) e esta é a foto que caracteriza o gigantesco movimento de ontem nas ruas do Brasil.

Lamentável esta postura, que aliás não é de hoje. Não é a mídia que me define quem eu sou! Vândalos são aquelas pessoas que sugam o sangue dos trabalhadores para dá-lo de bandeja para os que se alimentam do sofrimento do povo. Enquanto os brasileiros se entorpecerem com esta mídia nojenta e vendida à publicidade dos exploradores do povo a qualidade do jornalismo brasileiro será vergonhosa.
Não se trata de achar que a mídia tem que ser de esquerda. Mas apenas de que …

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…