Pular para o conteúdo principal

Irmão ou Interventor?

A instalação de um Bispo cismático dentro da jurisidição da ECUSA por um Arcebispo que se diz em comunhão com Cantuária é um sinal de que a Comunhão Anglicana está definitivamente quebrada.
Akinola está demonstrando claramente que para ele não nenhum limite jurisdicional ou respeito para ampliar sua influência.
A atitude do Primaz da Nigéria é apenas um sintoma de como o fundamentalismo não respeita fronteiras. A carta da Bispa Presidente a Akinola apela de forma inequívoca ao respeito à autonomia da Igreja Episcopal nos EUA e lembra que a intenção dele contraria o acordo celebrado no Encontro dos Primazes.
A resposta, em contrapartida, é profundamente desrespeitosa e num tom quase monárquico pretende ensinar à Igreja americana os rudimentos da fé.
Esse é o problema das personalidades messiânicas: elas se consideram onipotentes.
Conheço bem esse discurso. Já o ouvi de um ex-bispo de nossa Provincia. A defesa da fé para essa gente não passa de uma fixação obsessiva.
O que o Palácio de Lambeth fará diante desse episódio, em sendo realmente realizado? O ACB escreveu a Akinola pedindo que ele evite realizar essa viagem. Se esse apelo não for atendido, estamos diante de uma quebra de relações pastorais que afeta não só a colegialidade entre dois Primazes, mas igualmente o próprio papel do ACB.
Ou seja, temos agora objetivamente uma tomada de posição. Ninguém pode acusar a ECUSA de não buscar o diálogo. Mas Akinola tem agora diante de si o emblemático problema de se assumir como um interventor. A única coisa que me preocupa é se ele tem sensibilidade para essa avaliação ou se agirá como um extático cruzado da ortodoxia. Orarei para que ele aja como um pastor.

Comentários

John disse…
Las ultimas noticias en el periodico New York Times nos cuentan que el arzobispo de Canterbury enfin se ha comunicado con el arobispo Akinola, pidiendole que NO entre en la diocesis de Virginia para instalar al obispo cismatico. Si hubiera intervenido con mas fuerza hace anos, quizas la situacion no habria deteriorado hasta el punto en que nos encontramos actualmente.
Roberto/DF disse…
Enquanto o clero dito fundamentalista e relativista travam esta bela disputa de "poder" dentro da chamada "comunhão?" anglicana, igrejas se esvaziam, fiéis se desmotivam, e por fim, sobrará apenas o clero- nesta bela disputa "fraterna". Lamentável, há coisas mais importantes p/ o clero se preocupar.
Stephen in USA disse…
Well put. Perhaps "Messianic" is a bit strong, but certainly not entirely inappropriate. I don't see anything particularly Christian about the current fights in the Anglican Communion- we seem to have turned our corporate idea of mission into fights about property, who attends whose church, and what combination of "His" and "Hers" is on the towell rack. Even the draft covenant relegates any mention of real mission to the end of the fourth section out of seven. This is not why God sent his Son to us, or why Jesus died on the cross. I fear that the "Anglican Communion" has become an idol to us, perhaps we should should bury her and move on.

Postagens mais visitadas deste blog

O Ano do Pinóquio precisa ir embora logo

Sabe aquela sensação de que você está vivendo um pesadelo? Ou, talvez, assistindo uma tragédia que você torce para que seja concluída o mais rápido possível e você saia do teatro pra respirar  o ar puro lá de fora?
Assim é o Brasil de hoje, às vésperas de um novo ano que não temos a menor idéia de como será. Para o governo ilegítimo que tomou conta do país, sem o consentimento dos eleitores, será um ano de recuperação em que o que moverá a sociedade brasileira será um infalível sentimento: o pensamento positivo!! 
Honestamente! Estão brincando com a inteligência das pessoas!. 
2016 foi o ano das grandes mentiras. Inventaram um crime que não existiu. Destituíram uma Presidenta em nome de Deus e da Família, quando nem uma coisa nem outra deram autorização para tal. Uma das mais deprimentes páginas da história política brasileira que deve servir como exemplo de como não fazer política séria. 
Um a um, os próceres da moralidade foram sendo expostos em suas mentiras. O que poderia represe…

PEC 241: futuro sombrio e o re-construir utópico do povo brasileiro

A aprovação da PEC 241 pela Câmara dos Deputados representa uma comprovação de que a aliança política entre partidos e as elites que os representam vai consolidando um projeto de desmonte do Estado brasileiro, à custa das maiorias empobrecidas.

A receita é amarga e comprova que a Casa Grande está eufórica para destruir qualquer esforço da Senzala em ampliar direitos. A exemplo de outras elites latino-americanas, a elite brasileira está se deleitando em recuperar os seus privilégios com a maior rapidez possível, tirando da gaveta projetos que haviam esbarrado na firme resistência dos governos progressistas.

A esperança agora se volta para o Senado que deverá também analisar a PEC e - não tenho muita esperança sobre isso - reverter este processo de enxugamento de políticas públicas afirmativas. Pelos próximos 20 anos a população pobre do Brasil pagará uma conta elevadíssima para manter os privilégios de poucos.

A Direita terá, com base numa legalidade destituída de legitimidade, a garan…

Resistir contra o Ensino a serviço do Mercado

Os tristes fatos que estamos assistindo em nosso país revelam o quão difícil é lutar por direitos. Com mais de mil escolas e quase 80 universidades ocupadas contra uma reforma educacional imposta de cima pra baixo, sem discussão com a sociedade e destinada a mudar a proposta de formação de futuras gerações, os estudantes e professores não merecem ser tratados com violência pelo aparelho militar do Estado e nem com desdém pela mídia elitista.

A primeira vítima já está configurada: um adolescente morreu dentro de uma Escola em Curitiba. Até quando o governo manterá seu insano autoritarismo de achar que nosso país aceitará retrocessos no campo das conquistas que construimos na última década? Temos conhecimento de que infiltrados neste movimento estão procurando amedrontar estudantes e professores para enfraquecer a mobilização. Estas pessoas devem ser identificadas e isoladas para que se identifique seus mandantes.

Precisamos, como sociedade, denunciar, resistir e lutar por meios legít…